NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Música faz idosa com parkinson voltar a caminhar e dançar

  • Reprodução/Daily Mail
    A britânica Christine Reeve (à esquerda), que sofre de Parkinson, e a fisioterapeuta Fiona Lindop A britânica Christine Reeve (à esquerda), que sofre de Parkinson, e a fisioterapeuta Fiona Lindop
A britânica Christine Reeve, 73 anos, sofre de parkinson há oito anos. Só recentemente, no entanto, ela descobriu que é capaz de andar e até dançar com naturalidade ao ouvir certos tipos de música - algo que ela achava que nunca mais seria capaz de fazer. A principal delas é "Tiger Feet", do Mud, um clássico dos anos 70.
A descoberta ocorreu quando ela comentou com o fisioterapeuta que queria ouvir um pouco de música durante a atividade e ele lhe arranjou um I-Pod com músicas dançantes. Os especialistas ficaram surpresos com o progresso que a paciente apresentou com a música.
Ela começou com "Tiger Feet", mas descobriu que outras músicas em ritmo de marcha produziam o mesmo efeito, como "Bad Moon Rising", do Creedence Clearwater Revival, McNamara's Band, de Bing Crosby. Segundo Christine, a batida faz com que ela tenha controle sobre seu corpo.
A fisioterapeuta Fiona Lindop, da equipe de parkinson do Derby's London Road Community Hospital, ficou tão impressionada com os efeitos da música sobre a paciente que está tentando obter recursos para um estudo sobre o tema.
Depois de presenciar o caso de Christine, ela passou a testar o uso de música com outros pacientes e obteve diferentes resultados.
Já se sabia que o uso do metrônomo (aparelho que ajuda músicos a manter o ritmo durante o estudo) é útil para pacientes com Parkinson. Mas o estudo tentará comprovar que a música pode ser ainda mais eficaz, não só para melhorar os movimentos dos pacientes, mas também sintomas como insônia, dificuldade de engolir e demência.
O mal de Parkinson é uma doença neurológica incurável e os sintomas incluem tremores, rigidez e lentidão nos movimentos. Também pode causar fadiga, dor e depressão.
(Com Daily Mail)
Fonte: Uol

sábado, 19 de abril de 2014

quarta-feira, 9 de abril de 2014

PACIENTES COM PARKINSON PRECISAM SE EXERCITAR

Apesar de passados quase duzentos anos da descoberta da doença de Parkinson, em 1817, a sociedade ainda sabe pouco sobre a enfermidade. Por isso, alertar sobre os sintomas é importante para promover melhor qualidade de vida dos portadores do Mal de Parkinson.

Conforme o médico neurologista Rodrigo Pizzatto, o paciente com Parkinson tem diminuição da produção de um neurotransmissor cerebral, a dopamina, que é responsável, entre outras funções, pela coordenação motora fina. “A dopamina também é relacionada com o bem-estar humano, o que faz com que grande parte dos pacientes inicie o quadro da doença com depressão e, por isso, não responda bem ao tratamento”, explica.

De acordo com Rodrigo, o tremor é o sintoma mais evidente do Mal de Parkinson, que também provoca rigidez muscular, lentidão de movimentos, desequilíbrio, além de dificultar as funções de mastigação, deglutição, fala e escrita. O médico salienta que o Mal de Parkinson, normalmente, ocorre entre pessoas acima de 65 anos, iniciando com tremor apenas de um lado. Segundo ele, quanto mais tarde iniciarem os sintomas, menos agressiva é a doença.

Rodrigo ressalta que se trata de uma doença incurável, mas o tratamento medicamentoso reduz os sintomas, retarda a evolução da doença e é iniciado assim que diagnosticada a doença ou quando o paciente apresenta diminuição na qualidade de vida. “O paciente apresenta dificuldade em realizar tarefas básicas e alimentar-se sozinho. O tratamento é feito com medicamentos que visam restabelecer o nível de dopamina no cérebro para amenizar os sintomas. Fisioterapia e prática de exercícios também auxiliam a retardar a progressão”, ressalta.

Segundo o neurologista, pessoas que convivem com pacientes com o Mal de Parkinson devem auxiliar nas atividades do dia a dia, estimulando os exercícios físicos para manter a musculatura em movimento além de acompanhar o atendimento fisioterápico. “A falta de movimento aumenta a rigidez muscular e piora os sintomas. Em casos em que a doença está mais avançada, o paciente tem dificuldade em locomover-se e pode ocorrer o fenômeno do congelamento, em que o paciente trava e não consegue caminhar”, finaliza Rodrigo. 
Facebook

terça-feira, 8 de abril de 2014

DIA DO PARKINSONIANO

DOENÇA DE PARKINSON

João Carlos Papaterra Limongi é médico neurologista e professor na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Excelente .Leiam.
http://drauziovarella.com.br/destaque1/doenca-de-parkinson-2/
Fonte: Dr. Dráuzio Varella.

domingo, 6 de abril de 2014

     
01 de abril de 2014 • 20h05 • atualizado às 20h08                                                           
         Pesadelos podem indicar Parkinson e outras doenças; entenda

Problemas médicos causar perturbações no sono, o que significa que é mais provável acordar durante a fase REM e lembrar-se que teve um pesadelo

  Pesadelos podem indicar problemas de saúde; saiba mais
http://saude.terra.com.br/,88169718bfd15410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html
Ler toda reportagem
Fonte: e-mail  de um amigo parkinsoniano e pesquisador.


terça-feira, 1 de abril de 2014