NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

sábado, 31 de março de 2012

ENQUANTO ISSO EM SÃO PAULO....

JAMES ME DEU UMA TRÉGUA!!!!! Estou com minha filha em São Paulo onde assistimos ao maravilhoso show de Joe Cocker. Delírio total nas músicas You are so beautiful, Unchain my hearth, entre tantas outras. Hoje assistiremos ao musical Hair. Amanhã, dia 01/04 (e não é mentira), fecharemos nossa turnê cultural com o megashow de Roger Watters - The Wall!

Living la vida loca!!!!

Explorando a temática: diversão em SP

O que encontrar na Oscar Freire?
- Calvin Klein, Tommy Hilfiger e Diesel.
Procura mais...
Mulheres ricas: novas protagonistas.






quinta-feira, 29 de março de 2012

1. Hitchcock Railway 2. Feelin' Alright (Traffic cover) 3. The Letter (The Box Tops cover) 4. When the Night Comes 5. Unforgiven 6. Summer in the City (The Lovin' Spoonful cover) 7. Up Where We Belong 8. You Are So Beautiful (Billy Preston cover) 9. Hard Knocks 10. N'oubliez jamais 11. Come Together (The Beatles cover) 12. You Can Leave Your Hat On (Randy Newman cover) 13. Unchain My Heart (Ray Charles cover) 14. With a Little Help from My Friends (The Beatles cover) Encore: 15. She Came in Through the Bathroom Window (The Beatles cover) 16. Cry Me a River (Ella Fitzgerald cover) 17. High Time We Went

AS VIPS

Hoje é um dia especialíssimo: as vips Íris e Carla juntas para assistirem o show do cantor britânico Joe Cocker. 
 Uhuuuuuuuu!

  Funny Pictures

domingo, 25 de março de 2012

Risco de derrame é menor em mulheres que bebem moderadamente

Reprodução
Beber até sete taças de vinho por semana pode reduzir chance de acidente vascular cerebral
 Mulheres que bebem moderadamente - até sete taças de vinho ou copos de cerveja por semana - são levemente menos propensas a sofrer um derrame do que as abstêmias, diz um novo estudo americano.

Os resultados da pesquisa, que avaliou milhares de mulheres de quase 30 anos, foram publicados na revista científica Stroke. Os dados coincidem com as recomendações da associação americana do Coração, que recomenda que as mulheres não bebam mais do que uma dose ao dia.

No entanto, isso não significa que as pessoas devam começar a beber álcool para prevenir derrames, assinalam os pesquisadores.

"Não incentivamos a beber mulheres que não bebem atualmente", diz Monik Jimenez, do Hospital de Brigham e Mulheres em Boston, líder do estudo.

"O álcool é uma faca de dois gumes, pois altas taxas podem aumentar a pressão arterial e o risco de arritmia cardíaca, fatores de risco para acidente vascular cerebral", diz ela.

Vários artigos anteriores demonstram que níveis baixos de ingestão alcoólica estão ligados a menores possibilidades de sofrer um derrame.

Jimenez e seus colegas empregaram dados de um estudo sobre enfermeiras que avaliou a saúde, dieta e estilo de vida de mais de 83 mil mulheres durante 26 anos. Os autores levaram em conta fatores de risco, como tabagismo, sobrepeso e histórico familiar.

O estudo não provou que o álcool previne o AVC, e não há uma explicação pelo momento para a relação entre ambos. Uma das hipóteses é que, em baixas doses, o álcool poderia prevenir a formação de coágulos ou alterar os níveis de colesterol no sangue.
Fonte:  ESTADÂO.com.br

sexta-feira, 23 de março de 2012

A dor em pessoas com Parkinson




A dor em pessoas com Parkinson não é exatamente causada pela doença em si. Os problemas que a doença causam são os que mais podem provocar dor. Mas, isso é muito pouco falado. Então caro (a) leitor (a) assíduo (a) do Blog da Dor Crônica, bote a boca no trombone e infernize a vida dos seus colegas com essa super revelação. Os neurônios na doença de Parkinson começam a envelhecer rapidamente até morrem sem muitas explicações. Esses neurônios se localizam na Substância Negra no mesencéfalo.
Porque se chama substância negra? Duas explicações distintas:
1. porque realmente ela é escura; e
2. Porque ninguém sabe o que realmente tem lá.

A número 1 parece mais sensata e ela é realmente escura. A dopamina é o neurotrasmissor em falta [...]. Todo mundo conhece os 3 pricipais sinais de Parkinson: tremor, movimentos lentos e rigidez, que estão ligado a nossa via de controle dos movimentos. Com movimento mais descontrolado, temos mais lentidão, enrijecimento, dificuldades para escrever, perda da coordenação, mobilidade e equilíbrio do corpo. Lembrando que toda dor atinge os músculos. Então, os problemas no movimento provocam dor e a dor provoca problemas no movimento. Será uma Questão Tostines? Nas pesquisas, a lentidão e endurecimento estão mais ligados a dor do que o tremor. Muito justo isso, pois o tremor contrai pouco o músculo em repouso, apenas em repouso. Sempre tem alguém que diz: “pô, tá com Parkinson?” quando levanta um copo dágua tremendo. Ai você tem que gastar sua energia e saliva e explicar para a peça rara que o tremor do Parkinson é de repouso e não durante o movimento. Acontece comigo direto. Como a doença de Parkinson tem uma tendência a atingir pessoas mais velhas, então todas as dores que são comuns no envelhecimento atingem as pessoas com Parkinson. Algumas são as causas:

Dor Musculoesquelética – dor nos músculos e articulacões por rigidez, perda do movimento espontâneo, postura ruim (curvada para frente). As regiões como os ombros, quadris, lombar e pescoço são as mais dolorosas. A imobilidade provoca contraturas nos músculos e tendões, mantendo tudo encurtado.
Dor neuropática – dor nos nervos, que podem estar comprimidos. É mais comum acontecer na região lombar, causando compressão no nervo ciático. Existe mais imobilismo e posturas sustentadas.
Dor com Distonia – contraturas ou espasmos fortes causados pela posturas sustentadas, movimentos repetitivos, sendo de origem neurológica. Isso pode afetar braços, pernas, troco, pescoço, face, lingua, mandíbula, músculos da mastigação e cordas vocais.
Dor por agitação excessiva – isso se chama Acatisia, o Wikipedia me salvou. É como se a pessoa tivesse uma inquietação sem sossego e que inicialmente foi descrita em pessoas que não conseguiam sentar. Isso mantem os músculos em contração constante.
Dor Central – dor por lesão no sistema nervoso central. É a mais sinistra de todas e a que tem relação direta com a doença, apesar de ser rara de acontecer. A morte dos neurônios é que provavelmente causam um curto circuito no cérebro.
Dor associada a Depressão – existe um grande risco de pessoas com Parkinson terem depressão e que pode iniciar por causa da dor. Essas dores geralmente são tratadas com medicações, fisioterapia, acupuntura, exercícios. Porém, quando associamos o tratamento com a saúde mental ou numa equipe multidiscilinar os resultados são melhores. Hoje alguns médicos colocam eletrodos na medula e no cérebro para controlar a dor.

Enfim, respondendo a pergunta: Parkison Dói! Abraços Artur Padão Gosling.

Fonte: Blog da dor

Observação: Encontrei esse blog por acaso.
Gostei do Blog. É super democrático. Transcrevi para vocês por ser muito interessante e esclarecedor o artigo. Parabéns!
O blog parkinsonlimonada é de um amigo meu Roberto.Um exemplo de vida.

Anti-inflamatório

Anti-inflamatório é ligado a menor risco de desenvolvimento do mal de Parkinson Iboprofeno, medicamento vendido comumente em farmácias, quando tomado regularmente diminui em 38% o risco de desenvolvimento da doença.
Uma nova pesquisa sugere que o anti-inflamatório ibuprofeno pode oferecer proteção contra o desenvolvimento do mal de Parkinson. 
A pesquisa sobre o medicamento, vendido comumente em farmácias, foi publicada na revista Neurology, da American Academy of Neurology.
O mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa caracterizada por tremores e pela dificuldade de movimento.
Segundo os pesquisadores, os resultados do estudo mostram que o ibuprofeno pode proteger o cérebro de maneiras que outros anti-inflamatórios não-esteroidais e analgésicos, como a aspirina ou o paracetamol, não conseguem.
Para o estudo, os cientistas analisaram dados de 98.892 enfermeiras e 37.305 profissionais da saúde. Os participantes relataram o uso de ibuprofeno e outros anti-inflamatórios não-esteroidais. 
Tomando os medicamentos duas ou mais vezes por semana o uso era considerado regular. Após seis anos, 291 foram diagnosticados com Parkinson. 
Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tomavam os anti-inflamatórios tinham um risco 38% menor de desenvolver a doença quando comparadas àquelas que não tomavam.

 Estadão.com.BR/Saúde

terça-feira, 20 de março de 2012

ENGASGO X MORTE

Mais ou menos em 27 /09/2011, publiquei  um artigo falando  de uma experiência desagradável que eu tinha passado ao engasgar com um pouco de Coca -Cola.  Disse também da necessidade da divulgação, pois é importante a sociedade saber usar a técnica  chamada "MANOBRA DE HEIMLICH". Bem, aproveitei e publiquei a técnica e mais informações devido a seriedade do problema.

Ontem, dia 19 /03/201, em Campinas-SP, um garoto de 13 anos veio a falecer por ter se engasgado com uma bala. Eis a notícia na Globo.com.

Garoto que morreu após passar mal em escola será enterrado no Piauí http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2012/03/garoto-que-morreu-apos-passar-mal-em-escola-sera-enterrado-no-piaui.html

Estudante de 13 anos teve parada respiratória em um colégio de Campinas.
Suspeita é que adolescente se esgasgou com uma bala na sala de aula.

Minha opinião e sugestões
Não existem culpados. Foi uma fatalidade. Mas ninguém sabia fazer nada para desengasgá-lo. Falta propaganda  educativa na tv, rádios do governo informando a população como agir nesses casos. Lamento  por todos. Eu tive a sorte de ser socorrida por uma amiga que me salvou literalmente usando essa citada manobra. A Dalva Molnar. Eu estava totalmente sem ar e ficando roxa. A agonia foi grande e  não desejo a ninguém essa experiência. E olha que é muito rápido. Porém, para quem está engasgado, é uma eternidade. 

Estou publicando essa triste notícia para ajudar  pessoas a salvarem mais vidas e quem sabe o governo resolva passar na televisão, em horários diversos a MANOBRA de HEIMLICH. Qualquer pessoa pode ser vítima de um engasgo e quanto mais pessoas souberem ajudar, melhor.

Tantos programas na tv sem acrescentar nada a ninguém e um ato de utilidade pública passa batido.
As Secretarias de Educação deveriam levantar essa bandeira. Que tal começar já?

Esse blog tem o dever de informar até porque tenho Parkinson e o Parkinsoniano costuma engasgar em determinada  fase da doença.

Injeção de células-tronco alivia sintomas de Parkinson

Modelo de Parkinson
Macacos que tiveram induzidos sintomas semelhantes aos do Mal de Parkinson apresentaram uma grande melhoria recebendo uma injeção de células-tronco embrionárias humanas.
As células-tronco foram aplicadas diretamente no cérebro dos animais, por meio de uma injeção.
A equipe do Dr. Jun Takahashi, da Universidade de Quioto (Japão), danificou o cérebro dos animais com um composto químico que destrói neurônios que produzem dopamina, gerando sintomas como os do Mal de Parkinson.
As células-tronco embrionárias humanas foram cultivadas até que se maturassem em uma forma inicial de uma célula nervosa, sendo então aplicadas no cérebro dos animais.
Neurônios funcionais
Seis meses depois, os macacos recuperaram entre 20 e 45% dos movimentos que haviam perdido antes do tratamento.
Análises post-mortem realizadas um ano após a aplicação das células-tronco mostraram que estas haviam gerado neurônios produtores de dopamina totalmente funcionais.
"Macacos com começaram com tremores e rigidez começaram a se mover suavemente, e animais originalmente condenados a permanecer sentados foram capazes de andar," disse Takahashi.
A equipe afirma que serão necessários vários estudos adicionais antes que um teste clínico possa ser feito em humanos, o que eles estimam levará de quatro a seis anos.
Fonte:Diário da Saúde- Da New Scientist

segunda-feira, 19 de março de 2012

DIA 11 DE ABRIL - DIA DO PARKINSONIANO

Este é o dia internacional dedicado ao portador da DOENÇA DE PARKINSON (DP). Nada temos a comemorar. Devemos refletir. Ela foi descrita pela primeira vez em 1817 e chamada de PARALISIA AGITANTE pelo Dr. JAMES PARKINSON, que analisou a DP apenas pelos movimentos involuntários em estado de repouso, e foi considerada incurável.
A primeira grande contribuição aos estudos da DP veio em 1875, quando o medico francês JEAN MARTIM CHARCOT apresentou estudo acrescentando outros sintomas, sobretudo a rigidez e sugeriu a comunidade cientifica que em homenagem ao Dr. Parkinson, a doença chamasse Doença de Parkinson, o que foi acatado.
Como se pode ver, passaram-se quase 50 anos para que viesse a primeira complementação aos estudos iniciados pelo Dr.Parkinson e considerada incurável permanecendo assim até hoje (após 200 anos). Tudo nessa DP é lenta, ate nós portadores, ficamos lentos. Nós sofremos, mas, vivemos.
E o sofrimento maior é pela incerteza de termos a medicação disponibilizada pelo estado (recurso do SUS). Mês falta um, mês falta outro, cujo preço é elevado. É uma preocupação. No nosso estado são 417 municípios. A grande maioria dos municípios não tem estrutura para atender os pacientes.  A DP não é fatal, mas deixar de tomar os remédios nos horários leva o portador a perder qualidade de vida, pois, como a DP é progressiva e degenerativa os sintomas aparecem com maior rapidez.
Os burocratas parecem não saber disso. Em 2009 através da Portaria (M.SAUDE) n.3981 e 3.982, determinando que os medicamentos a base de levodopa passem a ser de responsabilidade dos municípios até então dispensado pelo estado. O medicamento a base de LEVODOPA é o principal na vida do PK. Este medicamento foi lançado no mercado há aproximadamente 50 anos e até hoje é a principal droga no tratamento. Como se vê tudo continua lento... até a portaria de 2009 e publicada em 2010 que só entrou em pratica agora, 2012.
A PORTARIA é absurda, causa mais sofrimento ao usuário, pois tem que pegar o remédio em locais diferentes, dois relatórios, receitas independentes (temos que apresentar relatório detalhado e receita medica de 4 em 4 meses) e 2 cadastros. A portaria é de uma incoerência absurda e tem mais, o ENTACAPONA, que não faz efeito sozinho e sim com a LEVODOPA, é dispensado pelo estado, o usuário tem que pegar os remédios, que são tomados associados, em locais diferentes.  O PACIENTE QUE SE DANE ficando IMPACIENTE.
Temos outras reinvindicações, como a de 25% de adicionais para os que necessitam de cuidador, só reconhecido aos que se aposentam por invalidez. Aquele que se aposentou por tempo de serviço, já diagnosticado com a DP e depois precisando de cuidador é negado. O assunto deve ser revisto e dar o direito a todos que precisarem de cuidados especiais.
Outro beneficio que estamos pedindo é isenção ou redução de impostos no material importado para quem se submete a cirurgia de DBS- Estimulação Profunda do Cérebro (marca passo cerebral). A cirurgia é cara (acima de cem mil reais) e não é curativa, é paliativa.
 Para os dois últimos pleitos, as ASSOCIAÇÕES do Brasil que são trinta e cinco, entraram com pedido de  liberação dos 25%  de adicionais e isenção ou redução dos impostos nos produtos  necessários para cirurgia e manutenção, em audiência no Ministério da Saúde e no Ministério da Fazenda respectivamente .

Genário Couto
Presidente do Gruparkinson-BA

Se manifiestan en alteraciones motoras, sensoriales y hasta “síndromes demenciales” Inicio temprano en consumo de licor y drogas acelera aparición de daños cerebrales

Lima, mar. 17 (ANDINA). Adelantar la ingesta de licor, fumar o consumir drogas a temprana edad acelera el envejecimiento cerebral y provoca la aparición de “síndromes demenciales”, como las enfermedades de Alzheimer y de Parkinson, sostuvo hoy el neurocientífico Luis Aguilar.
El experto del Centro Iberoamericano de Neurociencias, Educación y Desarrollo Humano (Cerebrum), sostuvo que la absorción de sustancias nocivas desde la niñez y la adolescencia, aumenta la probabilidad de adicción y afecta primero a todo el sistema nervioso.
En diálogo con la agencia Andina, el especialista recordó que el deterioro cerebral no es inmediato, sino que responde a un daño progresivo que termina dejando a este órgano sin capacidad para pensar, concentrarse, recordar, coordinar movimientos, entre otras facultades.
Explicó que el cerebro es un órgano dinámico y cambiante, porque trabaja las 24 horas –incluso durante el sueño o descanso- y se adapta al medioambiente de la personas, mediante un proceso que se llama “plasticidad cerebral”.
“Cuando el cerebro se encuentra en un ambiente normal, su proceso de desarrollo es positivo. Pero cuando toma contacto con el alcohol, el tabaco o las drogas, las moléculas de estas sustancias modifican el comportamiento cerebral, pudiendo generar dependencia o adición”, anotó.
Señaló que la adicción a estos estímulos negativos provoca primero cambios en el sistema nervioso, expresados en problemas de conducta personal, con consecuencias en la salud y la economía familiar.
"En el ánimo de obtener dinero para solventar su vicio, el adicto se vuelve violento y llega a cometer delitos como el robo, comenzando con los bienes de su hogar", dijo.
Aguilar indicó que el impacto negativo de la adicción a nivel neurológico, se manifiesta en el adelanto del envejecimiento cerebral, que naturalmente se da a partir de los 28 años de edad.
Este adelanto provoca enfermedades como Alzheimer y Parkinson, conocidos como “síndromes demenciales”, anotó.
Explicó que, dependiendo del área cerebral afectada, la persona evidenciará diversas secuelas en su organismo. Entre estas secuelas figuran la dificultad de caminar o coordinar los movimientos, y problemas de índole sensorial o de funcionamiento de los sentidos.
“Si el daño se da en la zona del hipocampo, el paciente presenta problemas de memoria. Si hay lesiones en la corteza parietal, tendrá problemas sensoriales. Y si es en el lóbulo frontal, el problema será motor o de control de los movimientos”, manifestó.
El neurocientífico advirtió que el daño se incrementa en el caso de las gestantes, porque no solo ellas corren riesgo, sino también la integridad del bebé que está en formación.
“No hay que olvidar que el sistema nervioso es el primero en formarse en el embrión y culmina su desarrollo luego del nacimiento. El impacto del consumo de sustancias prohibidas durante la gestación puede producir desde malformación en el bebé hasta aborto”, dijo.
Aguilar instó a la población a tomar conciencia sobre la importancia del cerebro para la vida y el desarrollo de la persona, por lo que no vale la pena dañarlo con el consumo de bebidas alcohólicas en exceso o intoxicarse con cigarrillos, drogas y fármacos sin prescripción médica.
Fonte: Agencia Andina.pe

domingo, 18 de março de 2012

Moscas sem sexo buscam consolo no álcool

(Olha que notícia interessante)
Ela não quis transar com você? Encha a cara! Esse é o curioso recado que as moscas-das-frutas deram agora para os humanos --embora não seja algo propriamente novo entre o Homo sapiens.
Mas, além de uma curiosidade científica, é algo que poderá ajudar no tratamento de problemas como alcoolismo, vício em drogas e obesidade.
Pesquisadores demonstraram que machos de moscas do gênero Drosophila que eram impedidos de fazer sexo comiam mais comida "temperada" com álcool. Já machos que tinham sexo à vontade mostravam pouco interesse em ficar "calibrados".
e descobriu que o "culpado" era o neurotransmissor chamado NPF (neuropeptídeo F). Moscas macho que faziam sexo consumiam menos álcool e tinham maiores níveis de NPF. Moscas sem sexo consumiam mais álcool e tinham menores níveis de NPF.
Os humanos têm uma molécula semelhante, NPY (neuropeptídeo Y), também vinculada a questões de vício em drogas, álcool e prazer em geral criado por interações sociais ligadas à recompensa.
"Em mamíferos, incluindo seres humanos, o NPY pode ter um papel semelhante. Se for o caso, seria possível argumentar que a ativação do sistema de NPY poderia reverter os efeitos nocivos de experiências traumáticas e estressantes, que frequentemente levam ao abuso de drogas", disse Shohat-Ophir.
"Humanizar" os resultados da pesquisa é algo difícil de colocar de lado, diz o autor de um comentário sobre a pesquisa publicado na mesma edição da "Science", Troy Zars, da Universidade de Missouri. "Mas sua relevância para o comportamento humano obviamente ainda não está estabelecida", conclui.

Sexo, álcool e drogas são formas de "recompensa" para o cérebro. Na falta de um, o outro pode ser uma consolação, segundo o estudo publicado na revista "Science".
Mas que mecanismo bioquímico poderia estar por trás disso? A equipe, que teve como principal autora a pesquisadora Galit Shohat-Ophir, da Universidade da Califórnia, foi atrás de potenciais moléculas envolvidas,
Fonte: Folha.com

quinta-feira, 15 de março de 2012

Doença de Parkinson partilha gene com uma forma rara de demência


Doença de Parkinson partilha gene com uma forma rara de demência.

Investigadores portugueses no University College of London encontraram uma mutação genética comum a duas doenças que se pensava distintas.

O ponto comum chama-se ATP13A2. Para que esta sigla de letras e números faça algum sentido falta dizer que se trata da designação para um gene cuja mutação já tinha sido associada a um tipo de doença de Parkinson e que agora foi também encontrada numa família com Lipofuscinose Ceroide Neuronal (LCN),uma forma rara de demência precoce. O resultado do trabalho dos investigadores do University College of London foi publicado este mês na revista Human Molecular Genetics.

O objectivo "era encontrar a causa genética de uma doença neurodegenerativa rara chamada LCN", explica Rita Guerreiro, uma das cientistas envolvidas no projecto, adiantando que, para isso, os investigadores apoiaram-se numa numerosa família belga que sofre desta forma rara de demência precoce e que tem sido alvo do interesse de muitos especialistas. "Esta família era seguida e estudada há mais de 20 anos, tendo dado origem a várias publicações, sem que alguém tivesse, até agora, conseguido decifrar qual o defeito genético que se encontra na origem da doença", explica a investigadora. A família era composta pelos pais e 11 filhos, quatro dos quais tinham LCN e os restantes sete eram saudáveis. 

As Lipofuscinoses Ceróides Neuronais (LCN) formam um grupo de doenças neurodegenerativas, clínica e geneticamente heterogéneas, caracterizadas pela deposição de uma substância [lipopigmento autofluorescente] nos neurónios e noutros tipos de células. Estas formas raras de demência precoce podem manifestar-se na infância, na adolescência ou na idade adulta. Até ao momento foram identificados nove genes que estão associados a diferentes tipos de LCN, mas permanece por explicar a verdadeira causa desta doença. 

Recorrendo à sequenciação de exomas (os exomas são pequenas fracções do genoma e esta técnica permite "sequenciar de uma só vez todas as regiões codificantes do genoma - todos os genes"), a equipa encontrou "uma mutação no gene ATP13A2 que estava presente nos indivíduos com a doença e ausente nos familiares saudáveis", refere Rita Guerreiro numa resposta ao PÚBLICO por email. "O gene encontrado está na base de uma síndrome de Parkinson, o que sugere etiologias semelhantes para doenças que se pensava serem completamente distintas", resume a investigadora. 

O artigo descreve a associação feita "pela primeira vez" entre o ATP13A2 e esta doença (LCN) em humanos. "Em 2011 dois artigos encontraram mutações neste mesmo gene em cães com LCN, mas até agora não era conhecida qualquer associação em humanos", esclarece a cientista. Por outro lado, tendo em conta que as mutações neste gene tinham já sido previamente associadas a um tipo de doença de Parkinson raro (Kufor-Rakeb), os investigadores demonstraram que "há semelhanças no processo patológico destas duas doenças, o que nunca tinha sido descrito". Por fim, Rita Guerreiro conclui ainda que o estudo permite "validar estudos já feitos e iniciar novos estudos funcionais (de biologia celular ou com animais transgénicos), de forma a determinar o papel desta proteína codificada por este gene (ATP13A2) e do lisossoma [o lisossoma é uma componente celular onde ocorre a degradação de compostos que a célula já não necessita] não só nas Lipofuscinoses Ceroides Neuronais, mas também na doença de Parkinson."

O trabalho dos investigadores iniciou-se em Abril de 2011. "Fizemos a sequenciação de três membros desta família e a análise das variantes genéticas resultantes". A única variante que passou em todos os "filtros" usados para descartar as menos interessantes (as que não causam alterações na proteína; as que sabemos estarem presentes em indivíduos saudáveis, etc.) foi encontrada no gene ATP13A2.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Vacina anti-câncer RINS E PELE
Boas notícias são para partilhar.
Já existe vacina anti-câncer (pele e rins). Foi desenvolvida por cientistas médicos brasileiros,uma vacina para estes dois tipos de câncer, que se mostrou eficaz, tanto no estágio inicial como em fase mais avançada.
A vacina é fabricada em laboratório utilizando um pequeno pedaço do tumor do próprio paciente. Em 30 dias está pronta, e é remetida para o médico oncologista do paciente.
Nome do médico que desenvolveu a vacina:José Alexandre Barbuto
Hospital Sírio Libanês - Grupo Genoma.
Telefone do Laboratório: 0800-7737327 - (falar com Dra. Ana Carolina ou Dra.. Karyn, para maiores detalhes)
Isto sim é algo que precisa ser repassado..........
Alguém pode  estar precisando !!!!!
Por favor, divulguem esta vitória da medicina genética brasileira!!!!
fonte:Internet








terça-feira, 13 de março de 2012

O TRATAMENTO PELA ESCRITA
 A revista ISTOÉ DE 18/11/2012 , PUBLICOU UMA REPORTAGEM MUITO INTERESSANTE NA QUAL  FALA:  “Novos estudos confirmam que escrever sobre a própria doença ajuda na recuperação. Pode ser até em blogs. Monique Oliveira  diz assim:   É uma maneira eficaz de conseguir viver em paz  com uma experiência dolorosa.  Agora, a ciência confirma que a escrita não só é uma ferramenta importante nesse processo como pode alterar as respostas fisiológicas a doenças crônicas , melhorando  o quadro de saúde  de pacientes. Ao escrever, os doentes tornam suportável uma experiência tida anteriormente como pesada demais. Ela passa a integrar a biografia de quem vive o trauma, abrindo o caminho para a recuperação, como se cada um reescrevesse a sua história.
 Por essa razão, a chamada “expressive writing” (algo como expressão pela escrita, em inglês) ganha cada vez mais espaço na medicina.”
Bem, concordo em gênero, número e grau com a reportagem. Há muitos anos, quando eu tinha ou tenho qualquer problema, mesmo que fosse com filhos, marido, família, eu sempre escrevia e guardava. As vezes eu entregava à pessoa interessada. E isto me aliviava e alivia ainda hoje.
Quando eu recebi o diagnóstico do Parkinson eu relatei meu sentimento de uma maneira tímida e ao mesmo tempo revoltada. Eu não sabia absolutamente nada sobre a doença. Obviamente, não o fiz com a precisão que conseguiria hoje, depois de anos de leituras, congressos, bate-bocas com médicos. Cá prá nós, já estou quase merecendo um diploma. Tratar e falar sobre a doença tem me mantido muito bem, equilibrada e acima de qualquer coisa, confiante na cura a qualquer momento.
Obviamente, nem tudo são flores e ainda luto contra três coisas:
- os desconfortos causados pela doença
- a falta de informação das pessoas, que nos olham como ETs.
- a incredulidade da minha família, que diz que eu não tenho Parkinson (tomo remédios para o Parkinson 07 vezes ao dia) sem contar os outros remédios para outras  coisas. É isso aí galera. Passem a escrever. É uma boa terapia.

sábado, 10 de março de 2012

Droga para estômago pode ter risco cardíaco (domperidona / Motilium)


 

     A Health Canada alertou sexta-feira que a domperidona maleatea, uma droga normalmente receitada para combater problemas de estômago e intestinais, pode ter graves riscos para a saúde cardíaca.

 A domperidona é também utilizada para prevenir os sintomas, tais como náuseas e vómitos causados ​​por alguns fármacos utilizados para tratar a doença de Parkinson.

A Health  Canadá observou que estudos recentes mostram que o risco de batimentos cardíacos anormais e parada cardíaca pode ser maior em doentes a tomar domperidona em doses superiores a 30 mg por dia, ou em pacientes acima de 60 anos. A agência informa que a domperidona deve ser usada na dose mais baixa possível.

A declaração diz que quem tomar domperidona e experimentar quaisquer sintomas de ritmos cardíacos anormais, tais como palpitações, tonturas, desmaios ou convulsões, deve parar de tomá-la e procurar atendimento médico imediatamente. 

 Fonte: Calgary Herald.

quinta-feira, 8 de março de 2012


                                     Minha homenagem a essa que foi uma grande mulher.
                                                           Minha mãe Amélia.

                     Desejo para todas as mulheres um
                           dia cheio de alegrias.

Sexalescentes
Se estivermos atentos, podemos notar que está aparecendo uma nova franja social: a das pessoas que andam por volta dos sessenta anos de idade, os sexalescentes. É a geração que rejeita a palavra "sexagenário", porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer.

Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica - parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa de jovens oprimidos em corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como vestir-se.

Este novo grupo humano, que hoje ronda os sessenta, teve uma vida razoavelmente satisfatória.

São homens e mulheres independentes que trabalharam muitos anos e que conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram durante décadas ao conceito de trabalho. Que procuraram e encontraram, há muito, a atividade de que mais gostavam e que com ela ganharam a vida.

Talvez seja por isso que se sentem realizados... Os que já se aposentaram, gozam plenamente cada dia, sem medo do ócio ou da solidão, crescem por dentro, quer num, quer na outra. Desfrutam a situação, porque, depois de anos de trabalho, criação dos filhos, preocupações, fracassos e sucessos, sabem bem olhar para o mar, sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da janela de um 5.º andar...

Neste universo de pessoas saudáveis, curiosas e ativas, a mulher tem um papel destacado. Traz décadas de experiência de fazer a sua vontade, quando as suas mães só podiam obedecer, e de ocupar lugares na sociedade que as suas mães nem tinham sonhado ocupar.

Esta mulher sexalescente sobreviveu à bebedeira de poder que lhe deu o feminismo dos anos 60. Naqueles momentos da sua juventude, em que eram tantas as mudanças, parou e refletiu sobre o que, na realidade, queria.

Algumas optaram por viver sozinhas, outras fizeram carreiras que sempre tinham sido exclusivamente para homens, outras escolheram ter filhos, outras não, foram jornalistas, atletas, juízas, médicas, diplomatas...
Mas cada uma fez o que quis: reconheçamos que não foi fácil, e, no entanto, continuam a fazê-lo todos os dias.

Não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos "sessenta" - homens e mulheres - lida com o computador como se o tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe (e vêem-se), e até se esquecem do velho telefone para contactar os amigos - mandam e-mails com suas notícias, ideias e vivências.

De uma maneira geral, estão satisfeitos com o seu estado civil e, quando não estão, não se conformam e procuram mudá-lo.
Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os riscos.
Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflete, toma nota, e parte para outra...

Os maiores partilham a devoção pela juventude e as suas formas superlativas, quase insolentes de beleza; mas não se sentem em retirada.

Competem de outra forma, cultivam o seu próprio estilo ... Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do desporto, ou dos que ostentam um Armani, nem as mulheres sonham em ter as formas perfeitas de um modelo. Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, de uma frase inteligente ou de um sorriso iluminado pela experiência.déca

Hoje, as pessoas da década de sessenta estreiam uma idade que não tem nome. Antes seriam velhos, e agora já não o são. Hoje têm boa saúde, física e mental, frequentam academia, correm e recordam a juventude sem nostalgia, porque sua juventude foi feliz mas foi dura dura.

Celebram o sol em cada manhã e sorriem para si próprios ou de si próprios...

Talvez por alguma secreta razão, que só sabem e saberão os que chegam aos 60 no século XXI...

(Autor desconhecido)
OBS: Recebi de um amigo muito querido.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Grupo cubano anuncia teste de vacina contra Aids em humanos

Um time de biotecnologia cubano, que teve êxito ao testar uma vacina contra Aids em cobaias de laboratórios, anunciou que está pronto para dar início ao experimento com humanos.
O pronunciamento foi feito durante uma conferência na capital cubana, Havana, na segunda-feira.
"A vacina contra a Aids já foi testada com sucesso [em camundongos] e agora estamos preparados para uma pequena e controlada fase de exames clínicos [com pacientes soropositivos que não se encontram em estágios avançados da doença], disse o pesquisador Enrique Iglesias, CIGB (Centro de Engenharia e Biotecnia Genética).
Iglesis explicou que a vacina Teravac-HIV-1 é feita com proteínas recombinadas que provocam uma resposta celular de defesa contra o vírus HIV.
O pesquisador lembrou que mais de cem testes clínicos com humanos foram realizados antes por grupos de pesquisa de Cuba e de outros países, mas realçou que todos falharam.
Cuba gasta por ano mais de US$ 200 milhões (cerca de R$ 349 milhões) em programas de prevenção contra a Aids.


Fonte: Folha Online

segunda-feira, 5 de março de 2012

BOMBA na Medicina - Colesterol não é o Inimigo que você foi induzido a crer

Cirurgião especialísta em cardiologia admite enorme erro!

Nós os médicos com todos os nossos treinamentos, conhecimento e autoridade, muitas vezes adquirimos um ego bastante grande, que tende a tornarmos difícil admitir que estamos errados. Então, aqui está. Admito estar errado... 

Como um cirurgião com experiência de 25 anos, tendo realizado mais de 5.000 cirurgias de coração aberto, hoje é meu dia para reparar o erro de médicos com este fato científico.Eu treinei por muitos anos com outros médicos proeminentes rotulados como "formadores de opinião." Bombardeado com a literatura científica, sempre participando de seminários de educação, formuladores de opinião que insistiam que doença cardíaca resulta do fato simples dos elevados níveis de colesterol no sangue.
A terapia aceita era a prescrição de medicamentos para baixar o colesterol e uma severa dieta restringido a ingestão de gordura. Este último é claro que insistiu que baixar o colesterol e doenças cardíacas. Qualquer recomendação diferente era considerada uma heresia e poderia possivelmente resultar em erros médicos.
Ela não está funcionando! Estas recomendações não são cientificamente ou moralmente defensáveis. A descoberta, há alguns anos que a inflamação na parede da artéria é a verdadeira causa da doença cardíaca é lenta, levando a uma mudança de paradigma na forma como as doenças cardíacas e outras enfermidades crônicas serão tratados.
As recomendações dietéticas estabelecidas há muito tempo ter criado uma epidemia de obesidade e diabetes, cujas consequências apequenam qualquer praga histórica em termos de mortalidade, o sofrimento humano e terríveis consequências econômicas.
Apesar do fato de que 25% da população tomar caros medicamentos a base de estatina e, apesar do fato de termos reduzido o teor de gordura de nossa dieta, mais americanos vão morrer este ano de doença cardíaca do que nunca. Estatísticas do American Heart Association, mostram que 75 milhões dos americanos atualmente sofrem de doenças cardíacas, 20 milhões têm diabetes e 57 milhões têm pré-diabetes. Esses transtornos estão a afetar pessoas cada vez mais jovens em maior número a cada ano.
Simplesmente dito, sem a presença de inflamação no corpo, não há nenhuma maneira que faça com que o colesterol se acumule nas paredes dos vasos sanguíneos e cause doenças cardíacas e derrames. Sem a inflamação, o colesterol se movimenta livremente por todo o corpo como a natureza determina. É a inflamação que faz o colesterol ficar preso.
A inflamação não é complicada - é simplesmente a defesa natural do corpo a um invasor estrangeiro, tais como toxinas, bactéria ou vírus. O ciclo de inflamação é perfeito na forma como ela protege o corpo contra esses invasores virais e bacterianos. No entanto, se cronicamente expor o corpo à lesão por toxinas ou alimentos no corpo humano, para os quais não foi projetado para processar, uma condição chamada inflamação crônica ocorre. A inflamação crônica é tão prejudicial quanto a inflamação aguda é benéfica.
Que pessoa ponderada voluntariamente exporia repetidamente a alimentos ou outras substâncias conhecidas por causarem danos ao corpo? Bem, talvez os fumantes, mas pelo menos eles fizeram essa escolha conscientemente. O resto de nós simplesmente seguia a dieta recomendada correntemente, baixa em gordura e rica em gorduras poli-insaturadas e carboidratos, não sabendo que estavam causando prejuízo repetido para os nossos vasos sanguíneos. Esta lesão repetida cria uma inflamação crônica que leva à doença cardíaca, diabetes, ataque cardíaco e obesidade.
Deixe-me repetir isso. A lesão e inflamação crônica em nossos vasos sanguíneos é causada pela dieta de baixo teor de gordura recomendada por anos pela medicina convencional.
Quais são os maiores culpados da inflamação crônica? Simplesmente, são a sobrecarga de simples carboidratos altamente processados (açúcar, farinha e todos os produtos fabricados a partir deles) e o excesso de consumo de óleos ômega-6 (vegetais como soja, milho e girassol ), que são encontrados em muitos alimentos processados.
Imagine esfregar uma escova dura repetidamente sobre a pele macia até que ela fique muito vermelho e quase sangrando. Faça isto várias vezes ao dia, todos os dias por cinco anos. Se você pudesse tolerar esta dolorosa escovação, você teria um sangramento, inchaço e infecção da área, que se tornaria pior a cada lesão repetida. Esta é uma boa maneira de visualizar o processo inflama tório que pode estar acontecendo em seu corpo agora.
Independentemente de onde ocorre o processo inflamatório, externamente ou internamente, é a mesma. Eu olhei dentro de milhares e milhares de artérias. Na artéria doente parece que alguém pegou uma escova e esfregou repetidamente contra a parede da veia. Várias vezes por dia, todos os dias, os alimentos que comemos criam pequenas lesões compondo em mais lesões, fazendo com que o corpo responda de forma contínua e adequada com a inflamação.
Enquanto saboreamos um tentador pão doce, o nosso corpo responde de forma alarmante como se um invasor estrangeiro chegasse declarando guerra. Alimentos carregados de açúcares e carboidratos simples, ou processados com óleos omega-6 para durar mais nas prateleiras foram a base da dieta americana durante seis décadas.
Esses alimentos foram lentamente envenenando a todos.
Como é que um simples bolinho doce cria uma cascata de inflamação fazendo-o adoecer?
Imagine derramar melado no seu teclado, ai você tem uma visão do que ocorre dentro da célula. Quando consumimos carboidratos simples como o açúcar, o açúcar no sangue sobe rapidamente. Em resposta, o pâncreas segrega insulina, cuja principal finalidade é fazer com que o açúcar chegue em cada célula, onde é armazenado para energia. Se a célula estiver cheia e não precisar de glicose, o excesso é rejeitado para evitar que prejudique o trabalho.
Quando suas células cheias rejeitarem a glicose extra, o açúcar no sangue sobe produzindo mais insulina e a glicose se converte em gordura armazenada.
O que tudo isso tem a ver com a inflamação? O açúcar no sangue é controlado em uma faixa muito estreita.
Moléculas de açúcar extra grudam-se a uma variedade de proteínas, que por sua vez lesam as paredes dos vasos sanguíneos. Estas repetidas lesões às paredes dos vasos sanguíneos desencadeiam a inflamação. Ao cravar seu nível de açúcar no sangue várias vezes por dia, todo dia, é exatamente como se esfregasse uma lixa no interior dos delicados vasos sanguíneos.
Mesmo que você não seja capaz de ver, tenha certeza que está acontecendo. Eu vi em mais de 5.000 pacientes que operei nos meus 25 anos que compartilhavam um denominador comum - inflamação em suas artérias.
Voltemos ao pão doce. Esse gostoso com aparência inocente não só contém açúcares como também é cozido em um dos muitos óleos omega-6 como o de soja. Batatas fritas e peixe frito são embebidos em óleo de soja, alimentos processados são fabricados com óleos omega-6 para alongar a vida útil. Enquanto ômega-6 é essencial - e faz parte da membrana de cada célula controlando o que entra e sai da célula - deve estar em equilíbrio correto com o ômega-3.
Com o desequilíbrio provocado pelo consumo excessivo de ômega-6, a membrana celular passa a produzir substâncias químicas chamadas citocinas, que causam inflamação.Atualmente a dieta costumeira do americano tem produzido um extremo desequilíbrio dessas duas gorduras (ômega-3 e ômega-6). A relação de faixas de desequilíbrio varia de 15:1 para tão alto quanto 30:1 em favor do ômega-6. Isso é uma tremenda quantidade de citocinas que causam inflamação. Nos alimentos atuais uma proporção de 3:1 seria ideal e saudável.
Para piorar a situação, o excesso de peso que você carrega por comer esses alimentos, cria sobrecarga de gordura nas células que derramam grandes quantidades de substâncias químicas pró-inflamatórias que se somam aos ferimentos causados por ter açúcar elevado no sangue. O processo que começou com um bolo doce se transforma em um ciclo vicioso que ao longo do tempo cria a doença cardíaca, pressão arterial alta, diabetes e, finalmente, a doença de Alzheimer, visto que o processo inflamatório continua inabalável.
Não há como escapar do fato de que quanto mais alimentos processados e preparados consumirmos, quanto mais caminharemos para a inflamação pouco a pouco a cada dia. O corpo humano não consegue processar, nem foi concebido para consumir os alimentos embalados com açúcares e embebido em óleos omega-6.
Há apenas uma resposta para acalmar a inflamação, é voltar aos alimentos mais perto de seu estado natural. Para construir músculos, comer mais proteínas. Escolha carboidratos muito complexos, como frutas e vegetais coloridos. Reduzir ou eliminar gorduras omega-6 causadoras de inflamações como óleo de milho e de soja e os alimentos processados que são feitas a partir deles. Uma colher de sopa de óleo de milho contém 7.280 mg de ômega-6, de soja contém 6.940 mg. Em vez disso, use azeite ou manteiga de animal alimentado com capim.As gorduras animais contêm menos de 20% de ômega-6 e são muito menos propensas a causar inflamação do que os óleos poli-insaturados rotulados como supostamente saudáveis.
Esqueça a "ciência" que tem sido martelada em sua cabeça durante décadas. A ciência que a gordurasaturada por si só causa doença cardíaca é inexistente. A ciência que a gordura saturada aumenta o colesterol no sangue também é muito fraca. Como sabemos agora que o colesterol não é a causa de doença cardíaca, a preocupação com a gordura saturada é ainda mais absurda hoje.
A teoria do colesterol levou à nenhuma gordura, recomendações de baixo teor de gordura que criaram os alimentos que agora estão causando uma epidemia de inflamação.
A medicina tradicional cometeu um erro terrível quando aconselhou as pessoas a evitar a gordura saturada em favor de alimentos ricos em gorduras omega-6. Temos agora uma epidemia de inflamação arterial levando a doenças cardíacas e a outros assassinos silenciosos.
O que você pode fazer é escolher alimentos integrais que sua avó servia (frutas, verduras, cereais, manteiga, banha de porco) e não aqueles que sua mãe encontrou nos corredores de supermercado cheios de alimentos industrializados. Eliminando alimentos inflamatórios e aderindo a nutrientes essenciais de produtos alimentares frescos não-processados, você irá reverter anos de danos nas artérias e em todo o seu corpo causados pelo consumo da dieta típica americana.
O ideal é voltarmos aos alimentos naturais e muito trabalho físico (exercícios).
[Ed. Nota: Dr. Dwight Lundell é ex-Chefe de Gabinete e Chefe de Cirurgia no Hospital do Coração Banner, Mesa, Arizona. Sua prática privada, Cardíaca Care Center foi em Mesa, Arizona. Recentemente, Dr. Lundell deixou a cirurgia para se concentrar no tratamento nutricional de doenças cardíacas. Ele é o fundador da Fundação Saúde dos Humanos, que promove a saúde humana com foco na ajuda às grandes corporações promover o bem estar.
Ele é o autor de "A Cura para a Doença Cardíaca e A Grande Mentira do Colesterol.

"Me arrependo de coisas que disse, mas jamais de meu silêncio"
 ( Xenocratis )

Quais são os sintomas do Parkinson?

O quadro clínico basicamente é composto de quatro sinais principais: tremores; acinesia ou bradicinesia (lentidão e diminuição dos movimentos voluntários); rigidez (enrijecimento dos músculos, principalmente no nível das articulações); instabilidade postural (dificuldades relacionadas ao equilíbrio, com quedas freqüentes). Para o diagnóstico não é necessário entretanto que todos os elementos estejam presentes, bastando dois dos três primeiros itens citados.

Esses sinais e sintomas estão presentes somente na DP?

Esse conjunto de sinais e sintomas neurológicos é chamado de síndrome parkinsoniana ou parkinsonismo. Doenças diferentes e causas muito diversas podem produzir essa síndrome parkinsoniana. Entretanto, a principal causa dessa síndrome é a própria Doença de Parkinson, em aproximadamente 70% dos casos. Os demais casos relacionam-se a enfermidades ou condições clínicas nas quais os sintomas são semelhantes, porém outras características estão presentes e a história clínica e a evolução vão ajudar no diagnóstico diferencial. Portanto, quando um médico faz menção ao parkinsonismo ou síndrome parkinsoniana, ele não estará necessariamente se referindo à Doença de Parkinson. Uma causa importante de parkinsonismo secundário é o uso de certos medicamentos (por exemplo, algumas das drogas usadas para vertigens, tonturas e doenças psiquiátricas e alguns remédios para hipertensão). A importância de se identificar esses casos é que os sintomas são potencialmente reversíveis com a interrupção dos medicamentos que os causaram.

Como os sintomas da DP se manifestam?

A Doença de Parkinson costuma instalar-se de forma lenta e progressiva, em geral em torno dos 60 anos de idade, embora 10% dos casos ocorram antes dos 40 anos (parkinsonismo de início precoce) e até em menores de 21 anos (parkinsonismo juvenil). Ela afeta ambos os sexos e todas as raças. Os sintomas aparecem inicialmente só de um lado do corpo e o paciente normalmente se queixa que “um lado não consegue acompanhar o outro”. O tremor é caracteristicamente presente durante o repouso, melhorando quando o paciente move o membro afetado. Não está, entretanto, presente em todos os pacientes com Doença de Parkinson, assim como nem todos os indivíduos que apresentam tremor são portadores de tal enfermidade. O paciente percebe que os movimentos com o membro afetado estão mais difíceis, mais vagarosos, atrapalhando nas tarefas habituais, como escrever (a letra torna-se pequena), manusear talheres, abotoar roupas. Sente também o lado afetado mais pesado e mais enrijecido. Esses sintomas pioram de intensidade, afetando inicialmente outro membro do mesmo lado e, após alguns anos, atingem o outro lado do corpo. O paciente também pode apresentar sintomas de dificuldade para andar (anda com passos pequenos) e alterações da fala.

Fonte: Internet.

sábado, 3 de março de 2012

E O CHÃO TREMEU


Com um certo atraso, eis as fotos do "Carnaval Treme Treme" promovido pela Associação Campinas Parkinson.
Foi uma tarde gostosa, descontraída e com muitas brincadeiras.
Eu resolvi homenagear

 
Omar,Vice Presidente da ACP e Íris.
Iris, era só alegria. 

Geni e Vlade. E haja ouvidos... 

Gueixa  IRIS. 

Omar e a esposa Ana. 

Roseli e Douglas. 
Albino, um bom amigo. 


Dalva, Presidente da ACP e a turma do circo. 

Rita e Alcides.
"JAMES" vestindo-me de  Gueixa, lembrando-me dos passinhos miudinhos quando estamos em OFF, ou quando está próximo da hora do medicamento e você precisa de uma dose, por exemplo, da Prolopa (diga-se de passagem, um santo remédio). O importante é não deixarmos os Parkinsonianos fora dos eventos. Todos tem que participar para não ficarem escondidos em casa, com vergonha de se exporem. Na ACP, você estará entre seus iguais. A Associação Campinas Parkinson devagar está ocupando o seu lugar. Um trabalho de formiguinha mas está dando muita alegria e inclusão social a muitos parkinsonianos.    PARABÉNS À DIRETORIA PELA INICIATIVA.

sexta-feira, 2 de março de 2012

UM PRESENTE PARA VOCÊS



OLHA SÓ QUE POR DO SOL.


BOM FINAL DE SEMANA!

                                                        


Óleo quente pode causar doenças

A UPV / EHU detecta que o óleo quente pode causar doenças como câncer, Alzheimer ou de Parkinson


Em um comunicado, a EHU UPV / Tem sido relatado que a investigação foi realizada em três tipos de óleo (oliva, girassol e linho), cobrindo uma vasta gama de composições.

Uma pesquisa conduzida na Faculdade de Farmácia da UPV / EHU descobriu a presença de "aldeídos oxigenados alfa-beta insaturada" substâncias consideradas como potenciais agentes causadores de doenças como câncer, Alzheimer ou de Parkinson em óleos submetidos a aquecimento repetido. O trabalho revelou que o óleo de girassol gera mais quantidade de compostos nocivos do que o azeite.

Em um comunicado, a EHU UPV / Tem sido relatado que a investigação foi realizada em três tipos de óleo (oliva, girassol e linho), cobrindo uma vasta gama de composições. Os dois primeiros foram submetidos a aquecimento a 190 graus, em tempos de oito horas, até um total de 40 horas, enquanto que o terceiro é mantido 20 horas. O trabalho focado no estudo da evolução da composição dos óleos ao longo do aquecimento.

Até agora, sabia-se que uma das alterações sofridas pelos óleos sob estas condições é que as suas cadeias de triglicéridos são quebradas, gerando assim moléculas mais pequenas, alguns dos quais escapa para a atmosfera e outros retida no óleo. Estas moléculas são compostas de uma natureza variada, e os encontrados em concentrações mais elevadas são aldeídos.

O que revelou o estudo da UPV / EHU é que entre esses aldeídos, não "alfa-beta insaturados oxigenados", que quando ingeridos podem reagir com proteínas, hormônios, enzimas e outros componentes do organismo, modificando estrutura e, por vezes função.
Nem todos os óleos gerar a mesma quantidade destes aldeídos tóxicos. Os resultados mostram que os óleos poli-insaturados, isto é, de girassol e de linho, são a maior quantidade de aldeídos tóxicos gerados e os que o fazem em menos tempo. Em contraste, os óleos ricos em grupos monoinsaturados, tais como azeite, gera menos quantidade destes compostos nocivos e sua formação requer mais tempo.

 Fonte: Ecoticias




quinta-feira, 1 de março de 2012



PESQUISA
Alzheimer pode ter tratamento
Experimento em ratos conseguiu regredir a doença
Na última sexta-feira, o ex-técnico da seleção brasileira e destaque nos campos de futebol Dunga viveu a dura despedida de seu pai, Edelceu Verri, 72 anos. Por uma década, o pai do atleta lutou contra o mal de Alzheimer. Assim como ele, nos Estados Unidos, cerca de 5,1 milhões de pessoas sofrem da doença. Por isso, o país está investindo em pesquisas mais promissoras direcionadas ao mal neurodegenerativo.

O Alzheimer não tem cura, e o tratamento, até agora, só se concentra nos sintomas. Um artigo publicado há duas semanas animou a comunidade científica – que, apesar de destacar a importância dos resultados, alerta sobre a necessidade de mais estudos antes de se desenvolver uma terapia que consiga frear ou mesmo reverter os estragos feitos no cérebro. Ainda assim, as conclusões da pesquisa foram animadoras.

Uma delas, publicada na revista especializada Science, conta que os pesquisadores da Faculdade de Medicina de Case Western, em Cleveland, constataram que a substância bexaroteno, presente em remédios anticancerígenos, conseguiu recuperar funções cerebrais em ratos que foram manipulados geneticamente para desenvolver o Alzheimer. Segundo a pesquisa, foi possível, inclusive, reverter os sintomas; entre eles, o mais drástico: a perda de memória.

Gary Landreth, principal autor do estudo, conta que decidiu usar esse medicamento porque a droga age em células localizadas no núcleo do cérebro. Para verificar o efeito do medicamento, os cientistas continuaram a injetar o bexaroteno em ratos.

– Conseguimos reverter com sucesso todas as características patológicas e comportamentais típicas de roedores manipulados para desenvolver o Alzheimer – comemora Landreth.

Além da memória, os ratinhos recuperaram o olfato, cuja perda é o principal sinal de Alzheimer em humanos.

– Nosso próximo passo é verificar se o bexaroteno tem o mesmo efeito em seres humanos. Estamos dando os passos iniciais para transformar essa descoberta em um tratamento e esperamos obter resultados de um teste clínico até o ano que vem –, disse à agência France Press Daniel Wesson, professor adjunto de neurociência e segundo autor do estudo.

O problema do bexaroteno é que ele tem efeitos colaterais, como aumento das taxas de colesterol e triglicerídeos, disfunções que elevam a probabilidade de se ter doenças cardiovasculares e diabetes. A solução, segundo os pesquisadores, seria oferecer doses menores.
FONTE: CORREIO BRAZILIENS

NOTA DA AUTORA DO BLOG.
Estou sempre publicando  reportagens sobre o MAL DE ALZHEIMER.
Motivo: Perdi minha mãe há exatamente 3 anos e tres meses e ela sofria desse mal terrível. A causa da morte não foi essa.
Toda doença é ruim, porém tem umas piores que outras. Esse mal é muito chocante pois a pessoa perde a identidade e a dignidade também. Você vê o seu ente querido passar a ser alguém que você não conhece. Pergunta as mesmas coisas  o dia inteiro, sofre dos efeitos colaterais dos medicamentos tendo sonhos tipo "vívidos' onde ela não está dormindo e nem totalmente acordada. Agride quem está perto, chora e a gente nada tem a fazer a não ser muita paciência, resignação diante daquele quadro estarrecedor. Mexe com toda a família em particular mexeu comigo e meu marido pois ela morava conosco. Montamos uma estrutura com cuidadora, fisioterapeuta e todo o nescessário, mas ela só aceitava a maioria das coisas e cuidados vindos da minha parte e do meu marido. Ela as vezes repetia o padrão e  escovava os dentes várias vezes. Teve noite de eu contar 10 vezes. Esquece que comeu, toma banho inúmeras vezes ao dia. Quantas vezes ela burlava a segurança ia para o banheiro e caia, se machucava e esquecia. Era de cortar o coração. Quantas vezes ela levantava a noite, caia e uma das vezes quebrou o braço. Levantávamos assustados com a cuidadora que dormia também pois não aguentava ficar acordada. No hospital ela me pergumtava depois de ser operada o que estávamos fazendo ali? Eu explicava e ela perguntava muitas vezes a mesma coisa. É isso aí moçada. Vale a pena viver sim, de preferência na plenitude dos seus atos e faculdades mentais.