NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

domingo, 22 de dezembro de 2013

Cientistas brasileiros testam ayahuasca para depressão e parkinson

l 


21/12/2013 - 02h45

Cientistas brasileiros testam ayahuasca para depressão e parkinson

Publicidade
MORRIS KACHANI
DE SÃO PAULO
Ouvir o texto
Estudo realizado por pesquisadores da Unifesp e da USP indica que a ayahuasca pode ter efeitos terapêuticos em casos de depressão e mal de Parkinson.
A ayahuasca, usada em rituais religiosos como o Santo Daime, é uma bebida produzida a partir do cipó e da folhagem de duas plantas amazônicas.
Um de seus componentes é a dimetiltriptamina, que se assemelha ao LSD (ácido lisérgico). Em altas doses, pode produzir alucinações.
No experimento, os pesquisadores administraram soluções com dosagens variadas, além de placebo, a roedores. A estrutura cerebral de cada grupo foi comparada. Os cientistas concluíram que no cérebro dos animais que tomaram ayahuasca houve diferentes níveis de produção de neurotransmissores –noradrenalina, dopamina e serotonina.
Os neurotransmissores propagam estímulos entre os neurônios. Após a ação, eles são recaptados ou destruídos por enzimas. A ayahuasca inibe as enzimas e concentra os neurotransmissores nas fendas sinápticas, fazendo com que eles tenham uma ação mais prolongada, o que potencializa suas ações.Continua.

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2013/12/1388786-cientistas-brasileiros-testam-ayahuasca-para-depressao-e-parkinson.shtm
Editoria de Arte/Folhapress

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Telemedicine Brings Parkinson’s Care To ‘Anyone, Anywhere’

 
December 5, 2013

0
A new study shows that a neurologist in an office thousands of miles away can deliver effective specialized care to people with Parkinson’s disease. For individuals with the condition – many of whom have never seen a specialist – these “virtual house calls” could allow them to live independently while effectively manage the symptoms of the disease.
“The idea that we can provide care to individuals with Parkinson disease regardless of where they live is both a simple and revolutionary concept,” said University of Rochester Medical Center (URMC) neurologist Ray Dorsey, M.D., M.B.A., senior author of the study which appears today in the journal Neurology: Clinical Practice. “This study demonstrates that, by employing essentially the same technology that grandparents use to talk to their grandchildren, we can expand access to the specialized care that we know will improve patient’s quality of life and health.”
More than 40 percent of people with Parkinson’s disease do not see a neurologist, placing these individuals at greater risk for poor health outcomes. For example, people with the disease who do not see a specialist are 20 percent more likely to fall and fracture a hip, 20 percent more likely to end up in a skilled nursing facility, and 20 percent more likely to die.
Geography is often a determining factor in whether a person with Parkinson’s sees a specialist. Neurologists with training in movement disorders like Parkinson’s disease tend to be concentrated in major academic medical centers. Additionally, the nature of the disease – particularly the impact on movement, balance, and coordination – can make a long trip to the doctor’s office unfeasible.
“We have an ample supply of neurologists in the country to take care of people with Parkinson’s, but because of distance, disability, and the distribution of doctors, many patients have a difficult time seeing a specialist,” said Dorsey.
Working with the patient networking website PatientsLikeMe, the study invited individuals with Parkinson’s who lived in the five states where Dorsey is licensed to practice medicine – California, Delaware, Florida, Maryland, and New York – to receive one free telemedicine consultation in the comfort of their own home.
The participants downloaded secure web-based video conferencing software developed by California-based Vidyo. The technology, which is akin to Skype, only requires an internet connected computer and a webcam.
Using this system, Dorsey saw more than 50 people with Parkinson disease, ranging from individuals who were getting a third opinion to those that were seeing a neurologist for the very first time. Virtually all of the visits resulted in treatment recommendations, including increasing exercise (86 percent), changes in current medications (63 percent), the addition on new medications (53 percent), and discussions about potential surgical options (10 percent). Patient satisfaction with the telemedicine care exceeded 90 percent.
Parkinson’ disease particularly lends itself to telemedicine because many aspects of the diagnosis and treatment of the disease are “visual” – meaning that the interaction with the doctor primarily consists of observing the patient perform certain tasks such as holding their hands out and walking and listening to the patient’s history.
“James Parkinson wrote the seminal description of the condition in 1817 by watching people walk in the park,” said Dorsey. “This is just a 21st century application of that principal of observation.”
The authors contend that this approach could also be applied to a number of other chronic conditions, from autism to Alzheimer disease, from diabetes to congestive heart failure. Collectively, chronic conditions affect over 140 million Americans and are responsible for 84 percent of health care expenditures.
While demonstrably effective, one of the key barriers to the wider adoption of this approach is the fact that Medicare does not pay for telemedicine care provided to people in their homes. Also, out-of-state physicians are barred from providing remote care to patients in many states.
These barriers prevent the potential savings – both in terms of cost and time – that can be realized by care delivered via telemedicine. A previous URMC study showed that not only did telemedicine visits cost less than providing care in a traditional setting such as a clinic or a hospital, but the virtual house calls saved patients an average of more than three hours and 100 miles of travel per visit when factoring in travel to and from the doctor’s office.
Dorsey and his colleagues are now extending the program with the support of the National Parkinson’s Foundation and support from the Patient Centered Outcomes Research Institute. The new study, called Connect.Parkinson, plans to enroll approximately 200 individuals with Parkinson’s disease beginning next year. Participants will either receive their usual care from a physician in their community or additional remotely-delivered care from a Parkinson’s disease center of excellence in their state.
“This research demonstrates that we can reach

Read more at
A telemedicina traz Cuidados de Parkinson como "Qualquer pessoa , em qualquer lugar "
5 de dezembro de 2013

     Tradutor Google.

Um novo estudo mostra que um neurologista em um escritório a milhares de quilômetros de distância pode oferecer atendimento especializado eficaz para as pessoas com doença de Parkinson. Para os indivíduos com a doença - muitos dos quais nunca vi um especialista - essas " chamadas de casa virtual" poderia permitir-lhes viver de forma independente durante a gerir eficazmente os sintomas da doença.
"A idéia de que podemos fornecer o cuidado de indivíduos com doença de Parkinson , independentemente de onde eles vivem é tanto um conceito simples e revolucionário ", disse University of Rochester Medical Center ( URMC ) neurologista Ray Dorsey , MD , MBA, autor sênior do estudo, que aparece hoje na revista Neurology : Prática Clínica. " Este estudo demonstra que , ao empregar , essencialmente, a mesma tecnologia que os avós usam para falar com seus netos , podemos expandir o acesso ao atendimento especializado que sabemos que irá melhorar a qualidade de vida e saúde do paciente. "
Mais de 40 por cento das pessoas com doença de Parkinson não vejo um neurologista , colocando essas pessoas em maior risco de resultados de saúde pobres. Por exemplo , as pessoas com a doença que não consultar um especialista são 20 por cento mais propensos a cair e fraturar o quadril , 20 por cento mais probabilidade de acabar em serviços especializados de enfermagem , e 20 por cento mais probabilidades de morrer .
Geografia é muitas vezes um fator determinante para saber se uma pessoa com Parkinson vê um especialista. Neurologistas com formação em distúrbios do movimento , como a doença de Parkinson tendem a se concentrar nos grandes centros médicos acadêmicos . Além disso, a natureza da doença - em particular o impacto sobre o movimento , equilíbrio e coordenação - pode fazer uma longa viagem para o consultório médico inviável.
"Temos uma ampla oferta de neurologistas do país para cuidar de pessoas com Parkinson , mas por causa da distância , deficiência, ea distribuição de médicos , muitos pacientes têm dificuldade de ver um especialista ", disse Dorsey .http://www.redorbit.com/news/health/1113021049/telemedicine-brings-parkinsons-care-to-anyone-anywhere-2/
Trabalhando com o site de rede paciente PatientsLikeMe , o estudo convidou pessoas com Parkinson , que viveu nos cinco estados onde Dorsey é licenciado para praticar medicina - Califórnia , Delaware , Flórida, Maryland e Nova York - para receber uma consulta de telemedicina livre no conforto da sua própria casa.
Os participantes baixado software seguro videoconferência baseado na web desenvolvido pela Vidyo com sede na Califórnia . A tecnologia, que é semelhante ao Skype, requer apenas um computador conectado à Internet e uma webcam.
Usando este sistema, Dorsey viu mais de 50 pessoas com a doença de Parkinson , que vão desde indivíduos que estavam recebendo uma terceira opinião àqueles que estavam vendo um neurologista pela primeira vez. Praticamente todas as visitas resultou em recomendações de tratamento , incluindo o exercício aumentando (86 por cento ) , alterações na medicamentos atuais (63 por cento) , a adição de novos medicamentos ( 53 por cento) , e as discussões sobre possíveis opções cirúrgicas ( 10 por cento) . A satisfação do paciente com o cuidado de telemedicina ultrapassou 90 por cento.
Doença de Parkinson presta-se particularmente a telemedicina porque muitos aspectos do diagnóstico e tratamento da doença são "visual" - o que significa que a interação com o médico consiste principalmente em observar o paciente realizar determinadas tarefas, como segurando suas mãos e caminhar e ouvir a história do paciente .
" James Parkinson escreveu a descrição seminal do estado em 1817 , observando as pessoas caminham no parque ", disse Dorsey . " Esta é apenas uma aplicação desse princípio de observação do século 21. "
Os autores afirmam que esta abordagem também pode ser aplicada a uma série de outras doenças crónicas , a partir do autismo a doença de Alzheimer , a diabetes de insuficiência cardíaca congestiva . Coletivamente , as condições crônicas afetam mais de 140 milhões de americanos e são responsáveis ​​por 84 por cento das despesas de saúde.
Embora comprovadamente eficaz , uma das principais barreiras para a adoção mais ampla dessa abordagem é o fato de que o Medicare não pagar por cuidados telemedicina prestados às pessoas em suas casas. Além disso, out-of -state médicos estão impedidos de prestar assistência remota a pacientes em muitos estados.
Estas barreiras evitar o potencial de poupança - tanto em termos de custo e tempo - que podem ser realizados pelo atendimento prestado via telemedicina. Um estudo anterior mostrou que URMC não só visitas de telemedicina custam menos do que a prestação de cuidados em um ambiente tradicional , como uma clínica ou um hospital, mas as chamadas casas virtuais salva pacientes uma média de mais de três horas e 100 quilômetros de viagem por visita , quando factoring em viagem de e para o consultório médico .
Dorsey e seus colegas estão agora a extensão do programa com o apoio da Fundação Nacional de Parkinson e apoio do Paciente Centrado Outcomes Research Institute . O novo estudo, chamado Connect.Parkinson , planeja matricular cerca de 200 indivíduos com doença de Parkinson começam no próximo ano. Os participantes irão receber ou seu tratamento usual de um médico em sua comunidade ou cuidado remotamente entregue adicional de um centro de doença de Parkinson de excelência em seu estado.
"Esta pesquisa demonstra que podemos chegar
Leia mais em

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Pedido de um jovem com recente diagnóstico.

Espero que através dessa reportagem suas dúvidas sejam esclarecidas.


Sobre a Doença de Parkinson

A doença de Parkinson afeta muitas pessoas. Se você for uma delas, você provavelmente sabe que esse distúrbio neurológico do movimento não tem cura.

Definição e Sintomas

A doença de Parkinson é um distúrbio neurológico do movimento progressivo e degenerativo que afeta muitos brasileiros. Embora ela se desenvolva tipicamente após os 65 anos de idade, aproximadamente 15% das pessoas com o problema desenvolvem a doença de Parkinson de início precoce antes de atingirem os 50 anos de idade.1
Conforme a doença de Parkinson progride, ela se torna cada vez mais incapacitante, tornando as atividades diárias como tomar banho ou vestir-se difíceis ou impossíveis. Muitos dos sintomas da doença de Parkinson envolvem o controle motor, a capacidade de controlar seus músculos e seu movimento.
Os quatro sintomas primários da doença de Parkinson são:
  • Tremor (agitação involuntária e rítmica de um membro, da cabeça ou do corpo todo) – O sintoma mais reconhecido da doença de Parkinson, o tremor, frequentemente começa com um tremor ocasional em um dedo, que eventualmente se espalha para o braço todo. O tremor pode afetar somente uma parte ou lado do corpo, especialmente nos primeiros estágios da doença. Nem todas as pessoas com doença de Parkinson têm tremores.
  • Rigidez (dureza ou inflexibilidade dos membros ou juntas) – A rigidez muscular experimentada com a doença de Parkinson frequentemente começa nas pernas e no pescoço. A rigidez afeta a maior parte das pessoas. Os músculos tornam-se tensos e contraídos e algumas pessoas poderão sentir dor ou dureza.
  • Bradicinésia ou acinésia (lentidão de movimento ou ausência de movimento) – A Bradicinésia é um dos sintomas clássicos da doença de Parkinson. Com o tempo, uma pessoa com a doença de Parkinson pode desenvolver uma postura curvada e um andar lento e arrastado. Eles também podem eventualmente perder sua capacidade de começar e continuar a se mover. Após alguns anos, eles podem experimentar acinésia, ou "congelamento", e podem não ser capazes de se mover de forma alguma.
  • Instabilidade postural (equilíbrio e coordenação prejudicada) – Uma pessoa com instabilidade postural pode ter uma posição curvada, com a cabeça inclinada e os ombros caídos. Essas pessoas podem desenvolver uma inclinação para frente ou para trás, e podem ter quedas que causam ferimentos. As pessoas com inclinação para trás têm tendência à "retropulsão", ou caminhar para trás.

Causas e Fatores de Risco

A doença de Parkinson é causada pela degeneração de uma pequena parte do cérebro chamada substantia nigra (substância negra). Conforme as células cerebrais da substantia nigra morrem, o cérebro começa a se privar da dopamina química.
A dopamina permite que as células cerebrais envolvidas no controle dos movimentos se comuniquem, e níveis reduzidos de dopamina levam aos sintomas da doença de Parkinson. De acordo com a National Parkinson Foundation (Fundação Nacional para a Doença de Parkinson), 80% das células produtoras de dopamina são perdidas antes mesmo que os sintomas motores da doença de Parkinson apareçam.2
A doença de Parkinson frequentemente se torna crescentemente incapacitante com o tempo. Se você sofre de doença de Parkinson, você pode ter problemas para executar atividades diárias como levantar-se de uma cadeira ou mover-se por uma sala. Conforme a doença progride, algumas pessoas precisam usar uma cadeira de rodas ou ficar permanentemente acamadas.

Referências

  1. Basic Information About Parkinson’s Disease (Informações Básicas Sobre a Doença de Parkinson). Disponível em:www.apdaparkinson.org. Acessado em 15 de julho de 2008.
  2. Parkinson Primer (Cartilha Sobre Parkinson). Disponível em:www.parkinson.org. Acessado em 14 de julho de 2008.
As informações contidas neste site não podem ser substituídas pela orientação médica. Sempre converse com o seu médico sobre diagnóstico e opções de tratamento.
Fonte: Meditronic

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Depoimento de Udo sobre uma experiência nova e vivenciada por ele...

Udo Antônio Hackbarth  e   MARIA SOLENI VOIGT ,fazem um lindo trabalho na Associação que eles criaram

INTOXICAÇÃO
Eu Udo Antônio Hackbarth, Parkinsionano, doença diagnosticada em 1999, aos 42 anos, portanto tomando remédio há 14 anos, e não simples remédios, mas drogas que se espalhavam por todo meu corpo e produziram incalculáveis danos a mim, desde compulsão por trabalho, compras e sexo, práticas inexplicáveis, como excesso de velocidade, subir em árvores altíssimas, já em estágio de Freesing adiantado. Em dezembro de 2012, eu me sentia fora das minhas faculdades mentais, então falando com um amigo, ele me sugeriu consultar um massoterapeuta, achando que talvez ele pudesse me ajudar. ...pensei comigo “quem está no inferno que custa dar um abraço no diabo”, mas para minha surpresa o terapeuta deu de dedo em riste e disse: VOCÊ NÃO TEM PARKINSON, desconfiei, mas era isso que eu queria ouvir. O mesmo disse que com 15 dias eu iria sentir uma pequena melhora, com 20 dias eu iria caminhar, só tomava remédios naturais para minha tranquilidade, mas não tive melhoras. A Soleni, conversando com um médico, cuja mãe tem Parkinson há 17 anos disse, ‘Textualmente’, se o Udo não tem Parkinson, minha mãe também não tem, mas ela tem. Então ele recomendou para administrar remédio de Parkinson, como se estivesse no inicio da Doença, doses pequenas, escondido de mim, porque eu não aceitava. Ela misturava com remédios naturais, fui tomando 01 comprimido em 06 pedaços por 06 dias, depois 01 comprimido em 04 pedaços por mais 06 dias. Daí o milagre, eu sem saber da prolopa/levodopa 200/50, levantei pela primeira vez sozinho. Que decepção! Eu tinha Parkinson. Pois eu não dava nenhum passo sem aquele ombro amoroso, lutei por 42 dias naquela esperança e nada, Então eu vi que tinha Parkinson. Essa minha desintoxicação se deveu ao fato de tomar por mês 1.210 comprimidos entre Prolopa/Levodopa 200/50, Sifrol 1mg, Contam 01 mg, 02 comprimidos de Rivotril 02 mg para dormir, 02 relaxantes musculares e remédio pra dor e mais um remédio para não afetar muito o estomago. Somando tudo aquela quantia absurda, só podia estar muito intoxicado. Resolvi dar a volta por cima. Sem ninguém saber, só eu e a Soleni, nenhum Médico, fui drástico, hoje tomo 300 comprimidos por mês no total. Resultado: Deus me protegeu, vivo como um cidadão normal, estou muito melhor, Graças ao bom Deus, e a certa dose de loucura.

Observação: Não tentem fazer nada sem a aprovação do seu médico

terça-feira, 12 de novembro de 2013


Doutor Cérebro - Neurologia cognitiva e comportamental


Nosso objetivo é informar o público leigo sobre as doenças neurológicas que envolvem a cognição e o comportamento. Além disso, pretende salientar que é possível fornecer um tratamento de alto rigor técnico-científico sem desprezar a dimensão humana da doença e do adoecimento.

Navegue pelas nossas seções de artigos:
 





http://www.doutorcerebro.com.br/portal/

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Pacientes de doenças como Parkinson, Alzheimer, câncer, autismo, síndrome de Down, depressão, alcoolismo e também outras patologias relacionadas ao sistema neurológico contam hoje com um complemento ao tratamento. A chamada Terapia Assistida por Animais (TAA) pode utilizar gatos, coelhos, tartarugas, chinchilas, cães e cavalos para amenizar os sintomas e ajudar na melhora dos doentes. Fundamentalmente, a TAA trabalha com a interação homem-animal para obter benefícios biopsicossociais, ou seja, vantagens físicas, psicológicas e também sociais daqueles que viram a vida mudar após a descoberta de uma doença.
Os resultados emocionais são visíveis ainda durante as sessões de TAA. Em Curitiba, o projeto “Amigo Bicho” leva essa alternativa para nove instituições, entre hospitais, escolas especiais e orfanatos. Na Associação Paranaense dos Portadores de Parkinsonismo (APPP) mensalmente voluntário "emprestam" os cães de estimação para atividades com portadores de Parkinson. De forma lúdica e com as reações inesperadas dos animais, as sessões com foco no aspecto motor ganham outra dimensão.
Célia Maria de Paula tem 71 anos e há 13 descobriu que tinha Parkinson. Além da medicação indicada pelo médico e da fisioterapia convencional, nos últimos quatro anos, ela aderiu a TAA. “Eu acho que está fazendo muito bem. Eu estou perdendo a coordenação motora nas mãos e já caí várias vezes na rua. As pernas já estão travando na hora que eu vou dar o passo, mas eu estou levando a sério. Também faço a fisioterapia e já fiz acupuntura, massoterapia, faço tudo o que eu posso”, conta a aposentada. Para Célia, a TAA tem proporcionado resultados significativos tanto no aspecto físico quanto no emocional. Desde que soube da doença, por orientação médica, ela procurou ler sobre o assunto.
Fonte:G1


terça-feira, 5 de novembro de 2013

TV SÈCULO 21..Uma vida normal com Parkinson.

http://www.youtube.com/watch?v=Du_LrF0-JS8.

Esse programa foi um belo trabalho feito pela TV Século 21. Existem  vários blocos com amigos da Associação Campinas Parkinson, com a médica da Unicamp, Dra. Ana Elise, Fisioterapeuta, Fono  entre outros profissionais. O bom dessa iniciativa foi exatamente mostrar como podemos ser iguais a vocês no dia a dia. Seria bom se tivéssemos essa abertura em outros canais para que o Parkinson fosse tratado de uma maneira mais leve, pois a doença em si é pesada. Porém,  vive-se  bem com as atividades físicas, remédios e boa vontade de viver e aceitar o que remediado está.

Conheça mais sobre Parkinson.

http://www.youtube.com/watch?v=rEiW8EnA7-s

domingo, 3 de novembro de 2013

Muito bom.Leiam.

Prevalência dos transtornos do controle dos impulsos e outros comportamentos compulsivos na Doença de Parkinson - Dissertação de Mestrado

Dissertação de mestrado apresentada por Guilherme Teixeira Valença em 2010. http://www.possaude.ufba.br/web/arquivos/2232011122146.pdf
Orientador: Jamary Oliveira Filho
Resumo: PREVALÊNCIA DOS TRANSTORNOS DO CONTROLE DOS IMPULSOS E OUTROS COMPORTAMENTOS COMPULSIVOS NA DOENÇA DE PARKINSON. Anormalidades comportamentais frequentemente surgem como complicações da evolução da doença de Parkinson (DP). Muitos fatores estão implicados no desenvolvimento dos achados não motores em DP, incluindo o uso medicamentos antiparkinsonianos. Observa-se que essa terapia pode piorar ou, até mesmo ser a causa primária dos sintomas não motores. Portanto, um complexo de entidades nosológicas neuropsiquiátricas desinibitórias que se relacionam com a estimulação dopaminérgica excessiva ou aberrante são cada vez mais reconhecidas. Estes comportamentos estão conectados por sua natureza repetitiva, recompensadora, excessiva, compulsiva e incluem os transtornos do controle dos impulsos (TCI), hobismo, punding, walkabout e síndrome de desregulação dopaminérgica (SDD). O objetivo deste estudo foi determinar a prevalência e os fatores clínicos, demográficos e medicamentosos associados por meio de um questionário (QUIP) para esses comportamentos. Nós estudamos 152 pacientes com DP sem demência de um ambulatório de movimentos anormais, idade média 67,3(+/-10,4); 86(56,6%) eram homens. TCI ocorreram em 28(18,4%) dos pacientes com DP(jogo 1,3%; hipersexualidade 11,8%; compra 10,5%; compra 7,9%). O uso dos pramipexole foi o principal fator associado aos TCI (P<0 1="" 22="" 8="" 9="" a="" achamos="" agentes="" ainda="" aos="" as="" associadas="" associados="" com="" comportamentos="" compulsivos.="" compulsivos="" conclus="" de="" del="" demais="" dopamin="" dos="" dose="" dp="" e="" em="" estes="" estiveram="" fator="" foi="" foram="" frequentemente="" hobismo="" idade="" identificados="" importante.="" independentes="" levodopa="" mais="" no="" o="" ocorreram="" outros="" p="" paciente="" pacientes="" passado="" pelo="" portadores="" pramipexole="" preditores="" punding="" question="" quip="" rgicos="" rio="" sdd.="" tabagismo="" tci.="" tci="" total="" tratados="" uso="" vari="" veis="" walkabout="">Palavras-chave: 1. Doença de Parkinson 2.Transtornos do controle dos impulsos 3.Comportamento compulsivo
Banca examinadora: Prof. Nicolaus Albert Schriefer, Departamento de Bioregulação ICS/UFBA; Prof. André Muniz, Serviço de Neurologia do Hospital São Rafael e Profa. Ângela Scippa, Departamento de Neuropsiquiatria do HUPES/UFBA.
Clique aqui para baixar o texto completo




© 2013 PPGCS - Webmaster

domingo, 27 de outubro de 2013

Diez cosas que deberías saber sobre el párkinson

Diez cosas

11/04/2013 - ¿Qué es? El Párkinson es un trastorno que afecta las células nerviosas, o neuronas en una zona del cerebro que controla los movimientos musculares. En quienes la padecen, las neuronas productoras una sustancia química llamada dopamina, que se ocupa de coordinar movimientos, mueren o no funcionan adecuadamente. 

Se escribe... El apellido Parkinson se escribe con inicial mayúscula si va antecedido por enfermedad (enfermedad de Parkinson) y con minúscula cuando va solo, usado como nombre común (padece Párkinson) 

¿A qué edad? Aunque la enfermedad de Parkinson afecta principalmente a personas en edades avanzadas –aproximadamente a un 2% de los mayores de 65 años- no es raro encontrar pacientes de menos de 40 años que empiezan a manifestar síntomas de la enfermedad: uno de cada diez casos de Parkinson es de inicio temprano. 

Un misterio. El origen del Párkinson es desconocido en un 85%, según la sociedad Española de Neurología. Un 10% de los cansos se consideran de origen genético y el 5% restante se ha sugerido que podría tener un origen ambiental o tóxico. 

Los síntomas. Temblor, torpeza, pérdida de equilibrio, lentitud y experimentar bloqueos -tanto físicos como de expresión-, suelen ser los síntomas más característicos de la enfermedad. Pero también disfunción sexual o alteraciones de sueño. Además, hasta un 15% de los pacientes en tratamiento pueden desarrollar trastornos del control de los impulsos: hipersexualidad, ludopatía, adicción a las compras, tendencia a comer compulsivamente...

Mejor con café. Un estudio reciente de la Universidad McGill de Canadá reveló que. los resultados se publicaron en la revista 'Neurology' , la cafeína reduce los problemas motores en enfermos de Párkinson. La clave de este efecto parece estar en los llamados antagonistas de los receptores A2A de la adenosina, que la cafeína es capaz de bloquear, lo que le confiere cierto papel neuroprotector.

Diagnóstico. Hasta hace poco no existían métodos para diagnosticar el Párkinson más allá de sus síntomas. Pero científicos de la Academia Americana de Neurología demostraron hace poco que hay una prueba que podría permitir el diagnóstico infalible de la enfermedad: hacer una biopsia de una de sus glándulas salivares. En los sujetos enfermos, estas glándulas contienen proteínas anómalas.

Curso impredecible. La evolución de los síntomas en la enfermedad de Parkinson puede llevar 20 años o más. Sin embargo, en algunas personas la enfermedad avanza más rápidamente, y no hay manera de predecirlo. 

Un tratamiento. La levodopa, que se utiliza desde hace más de 40 años, sigue siendo el tratamiento más eficaz para la enfermedad. También llamada L-dopa, es empleada por el organismo para fabricar dopamina y volver a llenar el suministro cerebral decreciente.

Vitamina K2. En pacientes con Párkinson, la actividad de las mitocondrias y el transporte de electrones se interrumpen, y las mitocondrias no producen energía suficiente para las células. Esto supone la muerte de muchas neuronas en el cerebro. En los últimos años, los científicos han sido capaces de identificar varios defectos genéticos (mutaciones) que conducen a esta actividad mitocondrial reducida. Por suerte, científicos estadounidenses han encontrado un modo de ponerle remedio: administrando vitamina K2 se mejora el transporte de electrones en la mitocondria y la producción de energía. Fonte: Muy Interesante.es.

domingo, 20 de outubro de 2013

Dormimos para o cérebro fazer faxina de toxinas, diz estudo
A limpeza seria umas das principais razões para o sono e pode estar ligada à causa de doenças como o mal Alzheimer e Parkinson.
17/10/2013 - Um estudo americano mostrou que o cérebro faz uma espécie de 'faxina' das toxinas deixadas para trás após um dia de 'trabalho pesado', quando se pensa bastante. A 'limpeza' seria uma das principais razões para o sono, segundo os pesquisadores.

O estudo liderado pela pesquisadora Maiken Nedergaard e publicado na revista 'Science' mostrou que as células do cérebro, provavelmente as neuróglias, encolhem, abrindo espaço entre os neurônios, permitindo que um fluído 'lave' o cérebro.

A pesquisa do Centro Médico da Universidade de Rochester, no Estado de Nova York, sugere ainda que distúrbios cerebrais podem estar relacionados à 'falhas' nesse tipo de 'limpeza'.

Já se sabe que o sono desempenha um papel importante na fixação da memória e no aprenzidado. Os pequisadores da universidade americana agora acreditam que a 'faxina cerebral' é uma das principais razões do sono.

'O cérebro tem energia limitada e precisa escolher entre dois estados funcionais - ou está acordado e atento, ou dormindo e fazendo a faxina', disse Nedergaard. 'É como uma festa em casa. Ou você recebe os convidados, ou limpa a casa. Não dá para fazer os dois ao mesmo tempo', disse.

Bombeamento
O estudo descobriu a 'faxina' a partir de uma descoberta anterior, feita no ano passado - a de que existe uma rede de dutos que retira a 'sujeira' do cérebro, nomeada pelos cientistas como 'sistema glymphatic' (ainda não há tradução do termo em português).

Os pesquisadores observaram o sistema glymphatic de ratos e viram que ele era dez vezes mais ativo durante o sono. Células do cérebro, provavelmente as neuróglias, encolhem durante o sono, aumentando o espaço entre o tecido cerebral, permitindo o bombeamento de mais fluído e a limpeza das toxinas.

Para a professora Nedergaard, esta é uma função 'vital' para se manter vivo, mas aparentemente só ocorre durante o sono. 'O que vou dizer é puramente especulação, mas parece que o cérebro perde muita energia bombeando água nele mesmo, função que é provavelmente incompatível com o processamento de informação', disse.

A professora disse que a dimensão da descoberta só poderá ser medida após testes com humanos. A BBC ouviu um cientista independente para comentar a descoberta. Neil Stanley disse que 'já há dados importantes sobre as razões psicológicas para dormir, como memória e aprendizado'. 'Mas esta (faxina) é uma razão química e física de verdade, algo importante', disse.

Doenças que levam à perda de células cerebrais, com as doenças de Parkinson e Alzheimer, surgem com a disseminação de proteínas danificadas no cérebro. Os pesquisadores sugerem que problemas no mecanismo de limpeza do cérebro podem estar relacionados a estas doenças, mas alertam que ainda é necessário mais pesquisa. Fonte: Globo G1.
Obrigada a meu amigo Hugo.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Depois de 06 dias internada na UTI/Quarto de hospital, estou de volta.


Acho importante relatar  o ocorrido comigo, pois a partir do momento que descobrimos que temos Parkinson a gente esquece dos outros órgãos e descuidamos deles. De repente, comecei a passar mal, uma opressão e dava uma sensação de desfalecimento. A pressão arterial subia e ficava baixa numa alternância rítmica que dava inveja a qualquer professor de teoria musical.
Resolveram me colocar na UTI. Lá fiquei até o dia 05. Quando foi dia 12 de outubro, essa criança chamada "Coração" voltou a me importunar. Tinha desfalecimentos e a sensação de ausência total. E fui para UTI pela segunda vez. Falei para esse coração leviano: cara, bate direito que tenho muitos projetos. Você não vai me deixar na mão. Tenho um filho de 12 anos que precisa de mim, uma netinha de 08 aninhos, filhos, irmãs, irmãos, primos, família sem falar no meu novo violão que ainda nem toquei. Mas percebi que nos Hospitais tanto médicos quanto quadro de enfermagem falam que a gente é ansiosa. Virou moda. Quem não fica ansiosa vendo sua "vó pela greta"? Vó que faleceu há anos... Chega a ser insensatez por parte de profissionais da área. Chegamos na UTI. O ambiente lá é festivo. O doente muito mal nada vê. O doente remediado, que era o meu caso, via tudo e observava muito. Eu estava monitorada, cheia de aparelhos, depois eu precisava ter certeza que eu podia sair.
Tem situações que você busca folego nas "tripas", pois a situação está difícil e ridícula. Ridícula por certas bobagens que vc tem que escutar, tem que vivenciar e ainda ficar calada. Bem, eu queria ficar mais com vocês. Não tenho respostas para meus questionamentos. O saldo que fica é o seguinte: não foi encontrado nada no meu coração. Dizem que pode acontecer a qualquer pessoa. Agora, é tomar cuidado com certos alimentos, tomar uma nova medicaçãozinha e, principalmente, ficar alerta para os sinais que o corpo nos dá.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Essa amiga  é nota mil. Gosto das coisas que ela escreve.


Marilim E. S. Capitaninipublicou emASSOCIAÇÃO BRASIL PARKINSON - ABP -SP-BRASIL
Publicar se for útil

REFLEXÕES....pensando com meus botões
Quando será o último beijo, o último abraço, último bom dia ou boa noite? Difícil e impossível saber. Se nos fosse dada esta oportunidade, tenho certeza que ainda ficariam palavras para serem ditas, sentimentos a serem expressos, perdão a ser perdoado.
Pergunto-me: por quê? Por que é tão difícil dizer ao outro o que sinto, valorizar as coisas boas, dar crédito a coisas
que não são tão importantes, ficar-de-mal e brincar de “falei por último”, e de modo geral, insistimos em continuar discutindo, cobrando! Não sei se é a idade ou a chegada da tal maturidade! O fato é que ultimamente tenho procurado “ser feliz a ter razão”, tenho evitado a perda de tempo em discussões bobas, que não levam a nada, tento controlar minha teimosia (qualidade e defeito), perdoar injustiças e deixar que a consciência e o futuro cumpram o papel de juízes.... enfim, quero sentir que estou melhor a cada dia. Por que estou pensando isso? Premonitório? Nada disso, estou pensando em mim em primeiro lugar. Já contei um fato que aconteceu comigo a muitas pessoas e foi um marco na minha vida e relato aqui para acompanharem nas minhas reflexões. Passamos um réveillon com um casal de amigos que levou outro casal, conhecidos nossos, mas com pouco contato que eu chamarei de L e O. Um tempo depois, me encontrei com L que me disse o quanto tinha sido bom passar aqueles momentos conosco, o quanto me admirava e mais alguns elogios. Eu fiquei feliz por ter provocado sentimentos tão prazerosos em L e aí ela me disse: “sabe por que estou falando isso? Vai que você morre! eu iria ficar com um sentimento ruim de que eu podia ter dito o prazer que eu tive em te conhecer melhor e não disse nada”. Assim, na lata! Esta última frase foi tão significativa que as demais não tiveram tanta importância e me fez pensar o quanto os relacionamentos ficam conturbados pela ausência de expressão de sentimentos sentidos. Depois disso, passei a não fazer economia em elogios quando verdadeiros, dizer ao outro sobre meus sentimentos, procurando ser o mais honesta possível comigo. A leitura de um livro também contribuiu nas minhas reflexões: Abra o seu coração de James Pennenbaker. Está pensando que sou a versão mais atual da madre Teresa de Calcutá? Engano... não tenho tanto altruísmo assim, mas , voltando á primeira frase deste texto, me empenho diariamente em ser feliz e fazer os outros felizes, viver plenamente todos os momentos e chegar ao fim de cada dia e sentir que aquele foi mais significativo que o dia anterior. Tenho meus momentos de angústia, deprê mesmo, mas contorno pensando e acreditando que o dia de amanhã será melhor. Transcrevo aqui parte de um artigo que escrevi para uma revista..... Nossa existência é como uma grande colcha de retalhos onde se emendam momentos que vão constituir a história de cada um costurados com pontos que deixarão marcas; é assim que seremos lembrados. Os pontos que não ficaram legais devem ser corrigidos, mesmo com o trabalho e sofrimento que trazem para um trabalho ficar perfeito. Se no futuro sentirmos orgulho de dizer "eu que fiz", num simples trabalho, também é necessário e útil estarmos disponíveis para novas aprendizagens (a gente nunca sabe tudo). Há sempre um pontinho novo, a ousadia de um colorido nunca experimentado que usamos para unir nossa história, sendo fundamental a presença de pessoas que nos ajudam a tecer a vida. Transformar as adversidades em aprendizagem e razão de viver depende da vontade de cada um.
“Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça." Sábias palavras da Cora Coralina que se aplicam a toda empreitada difícil sobretudo como essa de viver e conviver com Parkinson. Os termos: guerreira, superação, etc... não se aplicam a mim pois tenho preservados, ainda, o juízo, a cognição e procuro fazer uso dessas capacidades para desempenhar a melhor das tarefas que é VIVER.
Tremendo abraço, Marilim Elizabeth Silva Capitanini

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Parabéns ao idoso pelo nosso dia.

Eu falei parabéns ao idoso pelo nosso dia porque, realmente, fazendo uma retrospectiva da minha vida, eu posso falar da alegria que sinto em viver, ter sido uma jovem com hábitos sadios e por ter chegado a essa fase da vida bem. Apesar dos contratempos que a vida nos impõe, bem como ter que lidar com o Dr. "James Parkinson", que é um osso duro de roer, porém não é a pior coisa, pois existem outros males tão desagradáveis ou bem piores que vejo amigos e amigas sofrendo. È gratificante saber que vivi e que, se estou aqui agora escrevendo para vocês é porque vale a pena ser idoso senão.... quem sobraria para lhes enviar essa mensagem? O jovem acha que é poderoso só porque é jovem. Mal sabe ele que nós também fomos jovens um dia. Afirmo que ser jovem é maravilhoso, mas não se fica eternamente nesse estágio de vida. A única coisa que desagrada na terceira idade é a certeza de lidar com a proximidade daquela coisa feia que todos tememos que é a morte. Sai pra lá. Quero viver muito ainda e dar muitas risadas. Quero sentir o perfume das flores, quero que o vento bata forte no meu rosto, quero saborear muitas coisas que ainda desconheço. Quero cantar, tocar muito violão, quero ser amada e vou saborear ainda uma coisa que é sentir a força dos cientistas anunciando:"CHEGOU A CURA DO PARKINSON''. ESSE DIA SERÁ MEMORÁVEL E QUERO TER A ALEGRIA DE MANDAR OS REMÉDIOS: SIFROL E PROLOPA PARA BEM LONGE DO MEU JARDIM POIS NEM PARA ADUBAR AS PLANTINHAS ELES SERVEM. Tenham uma boa noite.

domingo, 22 de setembro de 2013

Maconha pode reverter sintomas do mal de Parkinson e de Alzheimer quinta-feira, agosto 15, 2013 canabidiol, cannabis medicinal, E.U.A, maconha, maconha medicinal, maconha medicinal no tratamento de Parkinson e Alzheimer, notícia 0 comments Maconha e sintomas do mal de Parkinson e AlzheimerUm novo estudo financiado pelo Instituto Nacional de Medicina Translacional dos E.U.A, e publicado na edição da revista Molecular Neurobiology do mês passado, descobriu que a maconha pode tratar, bem como reverter os sintomas de doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer. De acordo com os pesquisadores; "Os nossos resultados apoiam o potencial do canabidiol (CBD) que reverteu o declínio cognitivo e o seu uso clínico no tratamento de desordens neurodegenerativas tais como a doença de Parkinson e doença de Alzheimer." Para o estudo, os pesquisadores dosaram ratos com canabidiol (CBD) - um composto encontrado na maconha - e concluiu que: "CBD resgatou efeitos induzidos, trazendo DNM1L hipocampo, caspase 3 e níveis sinaptofisina volta aos valores comparáveis ​​aos do grupo controle (normal). Os nossos resultados sugerem que o ferro afeta a dinâmica mitocondrial, possivelmente causa perda sináptica e a morte celular por apoptose e indicam que o CBD deve ser considerado como uma molécula potencialmente recuperadora de emergência da memória e que contém propriedades neuro-protetoras para ser usado no tratamento de défices cognitivos observados em desordens neurodegenerativas. O estudo foi conduzido por pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica. Enviar por e-mail BlogThis! Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Orkut Fonte:http://maconhamedicinal.blogspot.com.br/

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Um pouco de música




Amigos curtindo The Beatles. Sempre nos reunimos para relembrarmos esse conjunto que foi o maior de todos os tempos.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

VOLTEI.

Por motivos diversos digamos que deixei o blog um pouco de lado para cuidar mais de mim, da minha saúde, essas coisinhas desagradáveis que temos que lidar no cotidiano. Tenho me lembrado muito da música "Cotidiano " do grande Vinicius de Morais:
Há dias que eu não sei o que me passa 
Eu abro o meu Neruda e apago o sol 
Misturo poesia com cachaça 
E acabo discutindo futebol
Mas não tem nada, não 
Tenho o meu violão
Acordo de manhã, pão sem manteiga 
E muito, muito sangue no jornal 
Aí a criançada toda chega 
E eu chego a achar Herodes natural
Mas não tem nada, não 
Tenho o meu violão
Depois faço a loteca com a patroa 
Quem sabe nosso dia vai chegar 
E rio porque rico ri à toa 
Também não custa nada imaginar
Mas não tem nada, não 
Tenho o meu violão
Aos sábados em casa tomo um porre 
E sonho soluções fenomenais 
Mas quando o sono vem e a noite morre 
O dia conta histórias sempre iguais
Mas não tem nada, não 
Tenho o meu violão
Às vezes quero crer mas não consigo 
É tudo uma total insensatez 
Aí pergunto a Deus: escute, amigo 
Se foi pra desfazer, por que é que fez?
Mas não tem nada, não 
Tenho o meu violão.
A Música é uma organização sonora  articulada, tal como uma linguagem (frase, pontuação, ou é  o desenvolvimento de uma idéia) , ou um meio  intencional de provocar sensação. E essa sensação é uma constante na minha vida e tem me dado forças para viver e acreditar  que ela cura ou  ao menos alivia  as peripécias da alma. Quando tudo falha, o meu violão está sempre disponível e me inspirando a descobrir ritmos, e é como um renascimento. Me refiro a dores físicas que têm me atormentado no último ano. Uma experiência ímpar e que não desejo a ninguém vivenciar. Encontrei em "Cotidiano" algo similar ao que sinto. Como não cultivo tristezas e gosto muito de dar bom dia ao amigo sol e acho que os seus raios me iluminam e me inspiram a cultuar também a terra e a lua, resolvi voltar e retomar minhas postagens, passar um pouco de experiência para vocês. Até vou dar um presentinho pra vocês: Fica aí esse por do sol lindo para tornar seu dia  bem mais leve. Não quero só falar de "James", até porque estamos aguardando uma notícia sobre a cura há anos.....ela poderá chegar a qualquer momento. Enquanto não chega....vamos curtindo os bons  momentos,  nos deliciando com coisas palpáveis, sonhando com o amor, curtindo a  família, esperando uma Mega, quem sabe? O sonho só morre quando o corpo e a mente permitem. Existe uma historinha engraçada no nordeste. Um cidadão muito pobre que morava no agreste nordestino e tinha muitos filhos. Bem, certo dia, foi o Vigário no domingo rezar uma missa. O Vigário resolveu perguntar ao ilustre rapaz porque ele não parava de  ter filhos? Na  inocência de um roceiro ele respondeu: Padre, a vida aqui é dura então o meu lema de vida é : De dia na agricultura e de noite na criatura. E o padre entendeu, saiu e disse: Fica com Deus meu irmão. O que mais podia dizer?

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Esquizofrênico registra em livro a experiência de enlouquecer


Achei essa reportagem muito instrutiva pois mostra como a pessoa pode superar seus medos e exorcizar seus fantasmas. E o mais importante é poder ajudar outras pessoas.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2013/06/1295600-esquizofrenico-registra-em-livro-a-experiencia-de-enlouquecer.shtml

Ex-aluno de física e de filosofia da USP, Jorge Cândido de Assis carrega no corpo das marcas da esquizofrenia. Aos 21, durante uma crise, ele se jogou contra um trem do metrô e perdeu uma perna.
Hoje, aos 49 anos, cinco crises psicóticas, ele dá aulas sobre estigma em um curso de psiquiatria e acaba de lançar um livro no qual descreve a experiência de enlouquecer. "Entre a Razão e a Ilusão" (Artmed Editora) foi escrito em parceria com o psiquiatra Rodrigo Bressan e com a terapeuta Cecilia Cruz Villares, da Unifesp.

Leia o depoimento dele.
Fonte: Folha Online Equilíbrio e Saúde.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Estudo liga alimentos ricos em gordura e açúcar a risco de câncer de intestino

Um estudo escocês sugere que refrigerantes, bolos, biscoitos doces e sobremesas podem aumentar os riscos de câncer de intestino.
Os cientistas, das universidades de Aberdeen e Edimburgo, analisaram fatores como dieta, prática de exercícios físicos e consumo de cigarros entre 2 mil pacientes de câncer de intestino na Escócia.
Eles identificaram fatores de risco já conhecidos pela literatura médica, como histórico familiar, fumo e sedentarismo. Além disso, apontaram outros, como o consumo de alimentos ricos em açúcar e gordura.
Na pesquisa, eles analisaram as dietas dos pacientes de câncer, boa parte delas com alto consumo de produtos calóricos, e as compararam com os hábitos alimentares de um outro grupo do mesmo tamanho que seguia uma dieta considerada saudável.
Foram analisados mais de 170 tipos de comida, incluindo frutas, legumes, verduras, peixes, carnes, além de produtos calóricos, como chocolates, nozes e sucos de frutas.
Os pesquisadores concluíram que o grupo que seguia uma dieta saudável, rica em frutas e legumes, tinha menos riscos de desenvolver câncer de intestino do que o outro grupo, seguidor do que foi denominado de "dieta ocidental": rica em carnes, gordura e açúcar.
Causa e consequência
Evropi Theodoratou, da Universidade de Edimburgo, disse que os resultados são muito interessantes e que merecem mais investigações utilizando uma amostragem maior da população.
"Ao mesmo tempo em que identificamos associações entre dieta e câncer, ainda seria prematuro tratar o assunto como causa e consequência".
"É importante levar esses fatores em consideração, principalmente porque as pessoas nos países industrializados consomem cada vez mais este tipo de comida".
Estima-se que o estudo, publicado na revista científica European Journal of Cancer Prevention, seja a primeira investigação a estabelecer uma ligação entre câncer de intestino e uma dieta rica em gordura e açúcar.
FONTE:  Folha Online Equilíbrio e Saúde.

segunda-feira, 15 de julho de 2013


"As farmacêuticas bloqueiam medicamentos que curam, porque não são rentáveis" | Esquerda

"As farmacêuticas bloqueiam medicamentos que curam, porque não são rentáveis"

O Prémio Nobel da Medicina Richard J. Roberts denuncia a forma como funcionam as grandes farmacêuticas dentro do sistema capitalista, preferindo os benefícios económicos à saúde, e detendo o progresso científico na cura de doenças, porque a cura não é tão rentável quanto a cronicidade.

Richard J. Roberts: "É habitual que as farmacêuticas estejam interessadas em investigação não para curar, mas sim para tornar crónicas as doenças com medicamentos cronificadores". Foto de Wally Hartshorn

Há poucos dias, foi revelado que as grandes empresas farmacêuticas dos EUA gastam centenas de milhões de dólares por ano em pagamentos a médicos que promovam os seus medicamentos. Para complementar, reproduzimos esta entrevista com o Prémio Nobel Richard J. Roberts, que diz que os medicamentos que curam não são rentáveis e, portanto, não são desenvolvidos por empresas farmacêuticas que, em troca, desenvolvem medicamentos cronificadores que sejam consumidos de forma serializada. Isto, diz Roberts, faz também com que alguns medicamentos que poderiam curar uma doença não sejam investigados. E pergunta-se até que ponto é válido e ético que a indústria da saúde se reja pelos mesmos valores e princípios que o mercado capitalista, que chega a assemelhar-se ao da máfia.
Postado por Nota:          Badu, peguei uma carona na sua publicação. Sei que ela é antiga, mas o assunto continua atual. Sempre pensei dessa forma e creio que devemos continuar batendo nessa tecla. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. 

domingo, 14 de julho de 2013

ÓTIMO MODELO A SER SEGUIDO NO BRASIL.


http://www.youtube.com/watch?v=Y1kSn1HCKk8

 
Um dos motivos que desanimam o portador da doença de Parkinson e  outras doenças neurológicas aqui no Brasil ,é a falta de investimento em salas de fisioterapias, nas capitais e no interior. Assim sendo, ficamos assim: nem os governantes se importam em investir e cumprir o seu papel no estado, proporcionando aos que possuem menos renda e nem a "classe médica" tem interesse em investir e dar um atendimento adequado, com respeito aos portadore de doenças neurológicas. Sinceramente é desanimador. Em uma cidade como Paulínia não implantam clínicas com fisioterapia voltada para problemas neurológicos e outras tantas cidades de porte maiores e menores. Está na hora de alguém olhar para esse problema. O exemplo a ser seguido está aí nesse vídeo. È só querer gastar o dinheiro dos impostos que nós pagamos e investir nos lugares certos

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Níveis altos de ferro no sangue podem reduzir risco da doença de Parkinson

Pesquisa analisou mutações genéticas e mostra redução no risco de desenvolvimento do distúrbio


POR MINHA VIDA - PUBLICADO EM 06/06/2013

Níveis altos de ferro no sangue podem reduzir risco da doença de Parkinson

A doença de Parkinson é um distúrbio nervoso que provoca tremores e dificuldades para caminhar, se movimentar e se coordenar. Segundo um novo estudo publicado no dia 4 de junho no jornal PLOS Medicine níveis elevados de ferro no sangue podem estar associados a um menor risco de desenvolvimento da doença. 

Irene Pichler da Academia Europeia de Bolzano (EURAC), na Itália, e um grupo de pesquisadores internacionais investigaram se haviam evidências sobre a associação dos níveis de ferro e o risco da doença de Parkinson. Estudos anteriores mostraram uma possível ligação entre níveis de ferro baixos no sangue em pessoas com a doença de Parkinson em comparação com quem tinha níveis controlados do mineral. 

Os pesquisadores estimaram o efeito de níveis de ferro no sangue sobre o risco da doença de Parkinson por meio de três mutações em dois genes, HFE e TMPRSS6. A investigação contou com 22 mil pessoas da Europa e Austrália, além da análise de um estudo feito com 20.809 pessoas com Parkinson e 88.892 pessoas para o grupo de controle. Ao cruzar os dados dos três grupos, eles obtiveram uma redução de 3% do risco de doença de Parkinson para cada aumento de 10 ug / dl de ferro no sangue. 

Essa constatação é importante porque sugere que o aumento dos níveis de ferro no sangue pode ter um efeito protetor contra a doença de Parkinson, embora o mecanismo que explique porque isso acontece permaneça obscuro. Os autores afirmam que são necessários mais estudos sobre os mecanismos param serem propostas as recomendações específicas de trata
Mude os hábitos e trate os sintomas 
O doença de Parkinson é uma disfunção na área do cérebro responsável pelos movimentos, principalmente os chamados automáticos, que são aqueles que fazemos sem pensar - como respirar, andar ou levantar de uma cadeira. Alguns hábitos como ginástica facial e musculação podem tratar os sintomas de quem já tem a doença. Confira: 


 
  • idosa usando um andador - Foto Getty Images
  • casal de idosos praticando o tai chi chuan - Foto Getty Images
  • idosa levantando halteres - Foto Getty Images
  • pássaro de origami - Foto Getty Images
  • casal de idosos cantando - Foto Getty Images
  • idoso fazendo uma careta - Foto Getty Images
  • casal de idosos lendo e usando o computador - Foto Getty Images
  • idosos jogando baralho - Foto Getty Images
 
 
DE 8
idosa usando um andador - Foto Getty Images
Exercícios diários
Para que o paciente com Parkinson possa executar movimentos automáticos, é necessária a prática de diversos exercícios diários. O objetivo desse treino é fazer com que o movimento passe a ser feito de maneira consciente, e não mais automática. A fisioterapeuta da Associação Brasil Parkinson explica que o portador da doença deve passar a fracionar os movimentos, prestando atenção em cada gesto. "Para ele não é mais simplesmente andar, é levantar uma perna, colocá-la para frente, depois levantar a outra perna e assim por diante", diz. 

Mariana explica que podem ser usadas peque Saúdenas pistas tanto visuais quanto auditivas na hora de executar uma tarefa. "É possível riscar várias linhas no chão, de forma que o paciente pule cada uma delas quando for andar, assim como podemos fazer uma contagem para cada movimento", diz. Ela afirma que essas pistas são uma forma de substituir a função automática por uma função consciente. "Pular a faixinha ou contar o passo faz com que o paciente se conscientize da tarefa, executando-a com mais rapidez e facilidade
.
Fonte: Minha Vida Saúde