NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

terça-feira, 31 de maio de 2011

MEU ANIVERSÁRIO .RECEBENDO AMIGOS.





MUITO GOSTOSO ESTAR ENTRE AMIGOS QUERIDOS.

Los síntomas no relacionados con el movimiento son lo peor del párkinson

Un estudio desmantela el mito de que los problemas motores son el principal problema y señala la importancia de tratar dolencias como el insomnio, la depresión y el dolor
31.05.2011 - El tratamiento del párkinson ha estado fundamentalmente dirigido a los trastornos del movimiento, pero un estudio revela que los síntomas no motores tienen "mayor impacto" en la calidad de vida de los pacientes, lo que podría revolucionar el abordaje de esta enfermedad. La doctora Mónica Kurtis, responsable del Programa de Trastornos del Movimiento del Servicio de Neurología del Hospital Ruber Internacional, desgranó los resultados de esta investigación.

Publicado en la revista científica Movement Disorders, referencia internacional en esta patología neurodegenerativa, el trabajo se realizó en 12 centros especializados de diez países, entre ellos España, e incluye a más de 400 afectados.

En la actualidad, la enfermedad de párkinson se define por la afectación motora, fundamentalmente por la presencia de temblor, rigidez, lentitud y/o alteración del equilibrio. (...)

La media de numero de síntomas no motores padecidos por paciente fue de diez, apuntó la doctora, quien explicó que todos ellos se describen en una misma enfermedad, algunos por el párkinson en sí, otros por efectos secundarios del tratamiento y otros por una combinación de ambos.

"Por primera vez se ha descubierto que la relación entre los síntomas no motores y la calidad de vida es muy intensa y más importante que la relación entre síntomas motores y calidad de vida", comentó la investigadora.

Kurtis explicó que los padecimientos no relacionados con el movimiento se tratan de un modo insuficiente por una responsabilidad compartida entre el paciente, que no los cuenta en ocasiones por desconocimiento o vergüenza, y el médico, porque no pregunta por ellos.

"A veces el paciente ni siquiera sabe que las pérdidas de orina, la depresión o la disfunción eréctil pueden ser consecuencia del párkinson", argumentó la experta, quien apuntó que si son estos trastornos los que más pesan sobre el enfermo, podrían ser abordados con la medicación específica que corresponda en cada caso.

La investigadora agregó, como otro de los avances de este análisis, que el mayor conocimiento de todas estas situaciones puede servir para la detección precoz de la dolencia. "Hasta hace poco ni siquiera sabíamos que existían y ahora pueden contemplarse incluso como precursores de la enfermedad", matizó.

Ante estos hallazgos, se descubre que es necesaria una nueva visión "integral" del párkinson, tanto en la investigación como en el tratamiento de este trastorno neurológico, crónico e invalidante, que afecta al 2% de las personas mayores de 65 años.

En este momento se calcula que en España viven cerca de 150.000 pacientes, al considerar que actualmente el 15% de la población española está por encima de esa edad. Además, se cree que más de 30.000 personas están sin diagnosticar. Respecto a las perspectivas de futuro, se prevé que el número de afectados se duplique para el año 2025 y que llegue a triplicarse en 2050. Fonte: Europasur.es.
Marcadores: sintomas não motores

sábado, 28 de maio de 2011

Novo remédio avança no combate ao Alzheimer .

Tratamento encontra meio de enfrentar a doença diretamente no cérebro
26/05/2011 - Todos os remédios criados para combater o Alzheimer até hoje tiveram sucesso apenas parcial. A causa: é muito difícil criar moléculas que passem pela barreira hematoencefálica, uma fortaleza que seleciona os componentes do sangue que entram no cérebro. Por isso, as tentativas de atacar as placas de proteína beta-amiloide, que se acumulam no cérebro e causam a perda das funções cognitivas, como a memória, acabam gerando poucos resultados.

Pesquisadores de biotecnologia da Genentech, uma companhia conhecida por criar tratamentos contra o câncer baseados em anticorpos, afirmam, porém, ter desenvolvido uma forma de passar por essa barreira e chegar ao cérebro. Suas descobertas, divididas em dois estudos publicados na revista Science Translational Medicine, podem representar tratamentos eficazes para o Alzheimer, esquizofrenia, Parkinson e até mesmo autismo. "Eles abrem uma nova fronteira no tratamento baseado em anticorpos", afirmou Mark Dennis, um dos cientistas da Genentech.

O que acontece atualmente? Pequenas moléculas podem atravessar essa barreira, mas grandes moléculas, como anticorpos criados em laboratório, ficam presas nas intricadas malhas de vasos sanguíneos do cérebro. Segundo Ryan Watts, diretor de neurosciência da Genentech, que trabalhou em ambos os estudos, menos de 0,1% dos medicamentos que usam anticorpos passam pela barreira. "Essa nova tecnologia pode melhorar significativamente esta taxa", disse Watts. O novo medicamento funciona por meio do bloqueio do beta-secretase 1 ou BACE, enzima necessária para cortar as proteínas beta-amiloide, formando placas que aderem nos cérebros dos pacientes com Alzheimer.

Cavalo de Troia — O primeiro passo do estudo obteve sucesso relativo. Testes em camundongos e macacos mostraram que os anticorpos reduziram efetivamente a quantidade de beta-amiloide no sangue dos animais, mas apresentaram um efeito modesto na redução dos níveis da proteína no cérebro.

Para superar o problema, a equipe decidiu usar uma abordagem Cavalo de Troia. Sabendo que o ferro chega facilmente no cérebro, eles fizeram o anticorpo específico para receptores de transferrina, responsável pelo transporte de ferro através da barreira hematoencefálica. Mesmo assim, as moléculas maiores continuavam presas na barreira. A saída foi deixá-las menos 'grudadas' aos receptores de transferrina. Ao chegar à barreira, então, elas 'caíam' dos receptores e entravam no cérebro.

Novos testes em ratos mostraram que os anticorpos atingiram o alvo e reduziram consideravelmente a quantidade de proteína prejudicial no cérebro. Várias empresas já estão desenvolvendo remédios que funcionam de forma parecida. "Agora nós vamos atrás disso de forma agressiva", disse Watts, acrescentando que a Genentech estudará tratamentos de anticorpos para outras doenças neurodegenerativas, além do Alzheimer. Fonte: Revista Veja.
Marcadores: alzheimer, beta-amilóide (Aβ)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Conheça a medicina que promete curar doenças degenerativas

26/05/2011
Quinta-feira, 26 de Maio de 2011 - O crescimento da população idosa no Brasil abre os olhos da comunidade médica para novos tratamentos. O último censo liberado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a população idosa no país saltou de 4,8% em 1991 para 7,4% em 2010. Em meio a esse cenário, o médico da Universidade de São Paulo (USP), Augusto Vinholis, afirma conhecer um tratamento que é capaz de curar doenças degenerativas, como o Mal de Alzheimer e Parkinson. Em entrevista ao JB, Vinholis fala da Medicina Integrativa, baseada em tratamentos de desintoxicação que prometem dar longevidade aos pacientes.JB - Afinal, o que é a medicina integrativa?Medicina Integrativa é a integração dos vários ramos da medicina chinesa, japonesa, indiana , européia, americana e brasileira. Ela integra também o ser humano como um todo (o corpo físico, mental, emocional e neurológico) e não em partes como se derivou a medicina ocidental. Com os procedimentos do tratamento, é possível detectar antecipadamente problemas que não podem ser diagnosticados pela medicina tradicional permitindo com isso a prevenção de possíveis males. (segue...) Fonte: Jornal do Brasil.
Marcadores: ,

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Quando eu descobri o Parkinson...

Dia 10 de outubro de 2003: Diagnosticada minha depressão.Síndrome do Pânico; Palpitações; Medos; Taquicardia; Sensação de desmaio e Muitas dores na coluna. Tensa, toda rígida. Início do tratamento.Desde 1994 já tinha alguns sintomas leves. Nem Imaginava que o Inglês estava se aproximando de mim. Como eu fazia Fisioterapia e nos anos subseqüentes, RPG e depois Pilates, os sintomas eram muito sutis.Em maio de 2004, minhas dificuldades estavam ficando aparentes. Eu não conseguia calçar uma sandália de dedo deslizando o pé, as crises de coluna estavam freqüentes, os engasgos até com o ar aconteciam e as pessoas começaram a me chamar atenção: Iris, você está mancando, seu braço está dobrando. Cheguei no Rio de Janeiro e minha cunhada percebeu o meu braço e me alertou para o fato dele estar ficando dobrado. Mas minha filha e uma irmã já tinham me chamado à atenção sobre isso. Tratavam da minha coluna e eu vivia nas fisioterapias. Realmente eu sentia muitas dores na coluna Dia D.2006-Ano Fatídico e Inesquecível Diagnóstico - PARKINSON. Bem, no decorrer do ano de 2006, eu não agüentava mais remédios e dores na coluna. Faltava ao serviço. Era uma situação delicada. Dava entrada 2 vezes por semana em prontos socorros para amenizar as crises de coluna.Resolvi procurar um ortopedista que eu não ia há tempos, mas que era meu médico, e quando lá cheguei relatei minhas entradas em pronto socorro, que eu não agüentava mais as hérnias de disco, que tinha tremores, rouquidão etc. Ele me ouviu com carinho e atenção. No exame clínico os meus reflexos estavam exacerbados. Eu era o retrato do enrijecimento, “toda dura”. Percebia que meu rosto não tinha muita expressão. Não entendia o que era. Aí, veio o veredicto: Investigue amanhã Parkinson. Eu quero você de licença médica para investigação urgente. No dia seguinte estava no neurocirurgião, um grande amigo, que foi maravilhoso comigo.Relatei-lhe o que eu sentia e a indicação do ortopedista. Após os exames clínicos, solicitou os exames de praxe e veio o diagnóstico: PARKINSON. Saí dali meio perplexa, atônita e robotizada. Eu era o reflexo da ignorância do Parkinson, não imaginava o que eu teria que modificar em minha vida. Meu caso é do lado direito, perna e braço.Bem, tudo tem lados bons e ruins. A coisa boa é que me redescobri como mulher, passei a me cuidar mais. E passei a me ENXERGAR. Até então, eu vivia colocando todos e tudo em primeiro lugar. Eu não me via mais, não me enxergava, entende? Eu sou avó de primeira viagem, e minha neta de 3 anos é uma das razões da minha vida e um dos meus amores. Tenho 3 filhos sendo um com sete aninhos. Foi quando me bateu a insegurança: Será que vou viver pra ver meu filho e minha neta criados? A VIRADANão parei para chorar, apesar do medo que sentia. Vesti minha pele de leoa e parti para a briga. Era ele ou eu. E eu decidi que iria mandar esse inglês para o inferno. Afinal, nunca me submeti ao jugo de ninguém.Esqueci de mencionar que, além do PK, sou hipertensa e tenho um início de diabetes.Dei início ao tratamento: doses cavalares de medicamentos para as doenças já citadas, e outros para as que acompanham o PK: depressão e o que todos conhecem, além, é claro, da reposição hormonal. Pensam que parou por aí? Fonoaudióloga, hidroginástica, alongamentos (em casa), caminhadas, exercícios para o equilíbrio. Levo sempre uma bolinha na bolsa e, onde quer que eu esteja, pego minha bola sem nenhuma vergonha e me exercito. Eu que sei de meus problemas e não posso me dar ao luxo de me preocupar com o que os outros estão pensando da louca com sua bolinha.Não escondo de ninguém que tenho Parkinson. Normalmente, as pessoas não acreditam, pois esses tratamentos todos estão dando bons resultados: MEU EQUILÍBRIO MELHOROU, MINHA EXPRESSÃO FACIAL SUAVIZOU-SE (sou disciplinada e faço os exercícios em casa, vendo TV, no computador, onde der), AS DORES MELHORARAM, enfim, sou uma pessoa completamente normal.Devo destacar que, desde o início, conto com a ajuda e dedicação de meu marido e filhos.Outra coisa importante: voltei a curtir coisas que eu amo e tinha até esquecido: ouvir música, tocar violão, praia (tenho ido pouco, devido ao tempo).RESUMO DA ÓPERA: QUEM QUISER DAR UMA RASTEIRA NO INGLÊS TEM QUE SER BEM BRASILEIRO, TEM QUE SE MEXER, NÃO PODE FICAR PARADO. TEM QUE SAIR DA TOCA, PASSEAR, ENFIM, TEM QUE VOLTAR A VIVER O MAIS PLENAMENTE POSSÍVEL.Se não fizermos nada e só ficarmos nos lamentando, ele irá nos vencer. Temos que ficar bem e prontos, pois as pesquisas estão avançando e quanto melhor estivermos no momento da descoberta da cura, mais chances teremos. ENTÃO, É O SEGUINTE:O INGLÊS É PREGUIÇOSO, NÃO GOSTA DE MOVIMENTO. VAMOS CONTRARIÁ-LO: MEXA-SE. O TEMPO TODO. NÃO PARE. TUDO NO SEU TEMPO (NÃO VÁ QUERER DISPUTAR UMA MARATONA). E, PRINCIPALMENTE, VAMOS DAR VIVAS À VIDA, POIS ELA É BELA E ÚNICA E CADA UM DE NÓS DEVE VIVÊ-LA INTENSAMENTE.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Laura Carrasco, directora de la Asociación de Parkinson de Madrid: “Es demoledor no poder comunicarse con el otro, sabiendo perfectamente lo que quier

” 20 mayo 2011 - El Parkinson es una enfermedad neurodegenerativa muy dura. La ciencia lleva años investigando pero todavía no ha podido dar una solución definitiva al problema. Se desconoce el origen y las causas de la enfermedad y los intentos de cura, se ven frustrados. Desde la Asociación de Parkinson de Madrid luchan día a día por la esperanza y contra la desesperación. Hablamos con su directora, Laura Carrasco.¿Tienen esperanza en la investigación con células madre?En su momento fue un “boom” y se pusieron muchas esperanzas, pero ahora se conocen más las limitaciones: la rápida tumorización, que las nuevas células implantadas se contagian de la enfermedad, etc.¿Se puede tener una calidad de vida aceptable con el Parkinson?La longevidad es un poco menor que la de una persona sana, ésto quiere decir que se puede estar más de veinte años con la enfermedad en evolución. Los primeros estadios (los médicos suelen dividirlos en cinco) te permiten hacer una vida lo más normal posible, a medida que avanza la enfermedad, la dependencia es mayor. En las últimas etapas, para cualquier actividad de la vida diaria, como andar o hablar, se necesita ayuda. Los profesionales luchamos para que esa calidad de vida sea buena en todos los estadios frente a las limitaciones.¿En las ultimas fases de la enfermedad se pierde la conciencia?No, se suele confundir con la enfermedad de Alzheimer pero no tienen nada que ver. La persona con Parkinson tiene mermas cognitivas que le permiten estar consciente, conocer su entorno y la realidad, poseen lentitud, pero tienen preservada la conciencia. (...)Hay una brecha digital entre los mayores, pero tenemos un sistema de aplicación propio y estamos metidos en todo el 2.0, facebook y redes sociales. También trabajamos con adaptaciones del Hardware, por ejemplo, con ratones más fáciles que discriminen movimientos voluntarios e involuntarios. Todos nuestros cursos de informática están siendo un éxito. Las nuevas tecnologías ayudan porque el aislamiento en Parkinson es muy fuerte, les da vergüenza salir en la calle, tienen miedo de perder el equilibrio o quedarse parado, rehuyen salir con los amigos porque les cuesta hablar, participar en las conversaciones y las nuevas tecnologías ayudan a comunicarse de otra forma.¿Qué mitos hay que desterrar?El primero es que es una enfermedad de mayores, nosotros también tenemos socios de 20 o 30 años, aunque son menos. No es contagioso, ni es mortal. Otro muy extendido es que es temblor, mientras muchos enfermos no tiemblan. Fonte: La huella digital.
Marcadores: ,

terça-feira, 17 de maio de 2011

Energia do organismo

Segundo a medicina tradicional chinesa e as constatações ocidentais através da foto Kirlian, o corpo humano possui meridianos energéticos – ou linhas – distribuídos no nível subcutâneo. Esses meridianos têm seus terminais principais nas extremidades do corpo, ou seja, nos pés e nas mãos.
As técnicas orientais de tratamento de doenças – como shiatsu, do-in, moxabustão e acupunctura – utilizam os pontos ao longo dos meridianos do corpo, das mãos e dos pés para reequilibrar a energia do organismo.

Terapias alternativas

Quando a pessoa não consegue, por si mesma, encontrar o equilíbrio emocional, aconselha-se que procure terapias alternativas como massagem oriental, psicologia, dança bioenergética, acupunctura, shiatsu, moxabustão, tratamento com ventosas, reiki, musicoterapia, cromoterapia, aromaterapia etc.Deficiência de energia aqui significa não deixar a energia fluir. Obesidade e gordura localizada são resultado de energia não utilizada, ou energia que não flui. A preguiça nada mais é do que deficiência de energia, gerada por pensamentos indecisos, medrosos e controladores.
As técnicas orientais de tratamento pelo do-in (auto-massagem cujo nome significa “caminho de casa”), o shiatsu (massagem aplicada por terapeuta) e a acupunctura (tratamento com agulhas), além de detectarem as doenças bem antes de estas se manifestarem no corpo, também promovem a cura das já existentes.
Os especialistas nesses tratamentos utilizam métodos milenares para diagnosticar os desequilíbrios da energia vital do paciente, através do toque nos meridianos ou sentindo o calor da pele. Outro processo dá -se pelo posicionamento da mão do terapeuta vinte centímetros acima da coluna vertebral do paciente, deslizando lentamente da cabeça ao cóccix sem tocar o corpo, ou apenas tocando seus pulsos. Essas técnicas profiláticas foram desenvolvidas pelos chineses há mais de cinco mil anos e têm como seu fundador o lendário imperador Huang-Ti, considerado o pai da acupunctura.
Muitas pessoas buscam curar-se através desses métodos. Outras hesitam em fazê-lo, por medo ou descrença, mas o importante é saber que qualquer tratamento, seja pela medicina ocidental, seja pela medicina oriental, só servirá quando a pessoa tiver consciência do seu poder e usar a mente para interagir com os tratamentos até assumir o comando pela sua saúde e não necessitar mais usar técnicas auxiliares.
Devemos evoluir através da mudança comportamental, procurando manter uma vida mais limpa no âmbito emocional. Toda ajuda é bem-vinda quando se deseja crescer espiritualmente, e evoluir é desapegar-se para sentir o verdadeiro amor por tudo e por todos. Enquanto as pessoas persistirem no erro de pensar sobre assuntos ruins, tristes e arrogantes, estarão sempre gerando doenças e infortúnios nas suas vidas, perdendo precioso tempo a buscar, inutilmente, soluções para os seus problemas. Veja, a seguir, o quadro demonstrativo dos recursos terapêuticos para os níveis de energia corporal.

Recursos terapêuticos

Ossos: Tai-chi-chuan, quiroprática

Músculos: Orgonoterapia, bioenergética

Vasos sanguíneos e linfáticos: Exercícios físicos e respiratórios

Região subcutânea: Do-in, acupuntura, Shiatsu, moxabustão

Pele e aura: Yoga, magnetismo

Quadro de doenças do Ki

Deficiência de energia: yin
Doença crónica, Sonolência, Hipoestesia, Flacidez, Hipotensão, Suor frio, Inchação, Obesidade, Paralisia, Inactividade, torpor, Hipotonicidade, Pele húmida e fria, Olhar morto e opaco, Movimento lento, Voz fraca, sem ressonância, Tristeza, depressão, Psicose, Falta de energia e iniciativa, Áreas volumosas, inchadas e desproporcionais, Área fria, insensível

Excesso de energia: yang
Doença aguda, Insónia, Dor, espasmo, Contracção, Hipertensão, Hipersecreção, Inflamação, Magreza, Convulsão, Hiperactividade, Hipertonicidade da pele, Pele seca e quente, Olhar vivo e claro, Movimento rápido, Voz forte, rude, Ansiedade, mania, Neurose, Hiperactividade, Área raquítica e fina, Área quente, inflamada e insensível

Fontes de energia que constituem o corpo humano

Energia cósmica: vibrações verticais captadas pelos sentidos e pelos pontos de energia;
Energia ancestral: partícula hereditária transportada nos genes que formam o ovo fecundado (informação genética);
Vibrações microcósmicas: ondas horizontais dentro dos indivíduos;
Respiração: energia (plana) captada da atmosfera pelas vias respiratórias;
Alimentação: energia solar concentrada nos alimentos mediante a clorofila e as bactérias do solo.

Observe que o ser humano, para manter-se em equilíbrio, necessita, antes, estar em harmonia com suas fontes de energia. O conhecimento milenar da saúde nos mostra que podemos transmutar as energias da natureza em nosso corpo mesmo sem alimentos sólidos ou líquidos. Para conseguir a harmonização de fluxos energéticos, invisíveis aos olhos, é necessário saber usar o pensamento. Se o homem emite pensamentos de raiva, agressividade e ansiedade, age sob a força de yang, gerando excesso de energia no corpo, causando tipos específicos de doenças e até de um formato do corpo. Por outro lado, se o homem mantém pensamentos de tristeza, mágoa ou ressentimentos, então ficará sob a força de yin, gerando deficiência de energia no organismo, que por sua vez provoca doenças equivalentes.
O homem pode controlar todo o fluxo energético do corpo equilibrando os pensamentos, as palavras e as acções.

Energia yin e yang

A energia que corre pelo seres vivos e toda a matéria é denominada ki, que para os orientais resulta da combinação de duas forças opostas: yang (ativa ou positiva) e yin (passiva ou negativa), criadas continuamente do tao (unidade primordial ou origem do Universo).
Yang e yin são dois princípios antagónicos que se atraem e geram a energia concretizadora da matéria e de todos os seres vivos. Isso se compara à teoria da Grande Explosão, respaldada pelos cientistas para explicar a origem do Universo.
Yin e yang geram movimentos de contracção e expansão, correspondendo às forças centrípeta e centrífuga, respectivamente. São a pulsação do Universo. Essa pulsação propaga a energia que, por sua vez, dispersa-se e condensa-se, criando e modificando a matéria. (Juracy Campos L. Cançado em Manual de primeiros socorros do do-in)

Os filósofos taoístas japoneses mostram-nos que o homem é constituído pela mesma energia primordial e regido pelo mesmo princípio que o Universo. Portanto, está sujeito às mesmas leis que regem a natureza. A física quântica expressa cientificamente essa verdade num dos seus princípios: Cada parte contém o todo: um eléctron é todos os eléctrons; uma partícula é todas as partículas. Tanto uma cadeira quanto um ser humano, quando olhados de suficientemente perto, não são sólidos. São, sim, uma fantástica interacção de anéis de luz, vibrando e rodopiando no turbulento mar do espaço. (Bob Toben e Fred Alan Wolf em Espaço, tempo e além. São Paulo, Cultrix, 1982.)

sexta-feira, 13 de maio de 2011

GENÁRIO COUTO, PRESIDENTE DO GRUPARKINSON BAHIA ,COMENTOU O CONGRESSO.

CONGRESSO DE FLORIPA

PARABENS aos organizadores em particular a Marcilio, um cavalheiro, que não aparece e Celinha de Araranguá parecendo uma formiguinha que trabalha sem parar. Falo desses porque conheço, mas a equipe, toda a equipe, merece aplausos. Foi tudo perfeito conforme o modelo estabelecido.
Palestras ótimas, o tempo todo. Chegávamos 9hs íamos ate 12 as intervalo para o almoço e tome palestras ate às 18hs. Um massacre. Fiquei triste e decepcionado. Floripa era a única capital do sul que não conhecia e pensava ter chegado o momento, algum tempo de folga para conhecer a bela (dizem não vi) capital Catarinense, fica para outra oportunidade. Se DEUS quiser vai ter. E não vou perder de novo, mas vamos ao congresso. Cheguei à quarta feira, dia 4 às 13hs, pois tinha reunião promovida pela Roche, sobre sucessão nas associações. Tema muito bom no qual o palestrante deu um verdadeiro show. Discorrendo sobre a necessidade de haver mudanças na direção de qualquer empresa que deseja crescer e as associações não devem fugir a regra. É uma pena que alguns dirigentes se acham donos das associações e alijam todos que não sigam suas orientações. É lamentável, se agarram ao poder e não querem mais largar....... O recado foi dado. Da reunião participaram apenas os dirigentes. Para o dia seguinte alem das palestras estava prevista um reunião de presidentes de Associações (22 das 35 existentes) , apenas 1h 30m. Tempo insuficiente para deliberar tanto assunto de interesse dos portadores. Uma reunião, sem pauta, com22 participantes, sem contar os vices que tiveram voz e voto (?????). Logo foi notado que o tempo era POUCO. Queriam colocar assunto e votar sim ou não sem discutir o tema, resultado a reunião foi realizada a noite, após um dia exaustivo de atividades. Não deu em nada apenas um documento, que já estava pronto, foi assinado pelos presidentes. E nada mais foi discutido nem definido. O que esta errado? Devemos reavaliar o modelo dos congressos dando tempo livre aos participantes para se conhecerem melhor, trocar idéias, que haja reuniões paralelas sem prejuízo a outras atividades,
VAMOS PENSAR NO ASSUNTO,






enario

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Desarrollan una técnica para identificar un proceso celular clave en múltiples enfermedades neurodegenerativas

Desarrollan una técnica para identificar un proceso celular clave en múltiples enfermedades neurodegenerativas Un equipo del Centro de Investigación Cooperativa en Biociencias del País Vasco (CIC bioGUNE) han conseguido desarrollar una nueva técnica que permite identificar la modificación de proteínas con ubicuitina, un proceso celular cuya desregulación puede producir cáncer y otras enfermedades neurodegenerativas, como Alzehimer y Parkinson.Miércoles 11 de Mayo de 2011 - En concreto, y según el estudio que publica la revista 'Molecular and Cellular Proteomics', dicha técnica permite identificar qué proteínas están ubicuitiladas en las neuronas de un organismo vivo, lo que abre una nueva vía para conocer con mayor precisión los procesos moleculares causantes de estas patologías.La ubicuitina es una pequeña proteína que las células usan para marcar el destino del resto de proteínas de la célula, para organizar dónde han de situarse, decidir con qué otras proteínas han de colaborar o para ordenar su propia destrucción.De este modo, la información que se ha obtenido en la investigación llevada a cabo por el investigador de CIC bioGUNE, Ugo Mayor, va a tener implicaciones directas en estudios sobre proteínas con una función relevante en la formación de conexiones neuronales.De este modo, la información que se ha obtenido en la investigación llevada a cabo por el investigador de CIC bioGUNE, Ugo Mayor, va a tener implicaciones directas en estudios sobre proteínas con una función relevante en la formación de conexiones neuronales.'Si con nuestro trabajo somos capaces de entender los fundamentos moleculares y celulares de ciertas enfermedades neurodegenerativas como Alzehimer y Parkinson, habremos dado un paso imprescindible hacia el diagnóstico, tratamiento y cura de estas enfermedades', asegura Mayor. (segue...) Fonte: Noticias Terra.es.

sábado, 7 de maio de 2011

FLORIANÓPOLIS TREMEU


















VI CONGRESSO DAS ASSOCIAÇÕES DE PARKINSON DO BRASIL
REINVENTANDO NOVOS CAMINHOS.
LOCAL: SESC FLORIANÓPOLIS.
O Congresso foi muito organizado, Maria Célia e Marcílio brilharam na organização. Tudo saiu a contento.
Sobre medicamentos, não temos novidades. Apenas a Razagilina QUE TEM EM OUTROS PAÍSES E NO BRASIL AINDA NÃO PODEMOS TOMAR, DEVIDO AO PREÇO E, QUEM SABE, FALTA DE INTERESSE DOS GOVERNANTES NA IMPORTAÇÃO OU FABRICAÇÃO PARA NOS AJUDAR. EM BUENOS AIRES OS PARKINSONIANOS JÁ TEM ESSE NOVO MEDICAMENTO. DIGO NOVO PORQUE, EMBORA DE GRANDE VALIA PARA OS PARKINSONIANOS, A PROLOPA JÁ TEM 60 ANOS.
Hoje a noite faremos no chat da Associação Brasil Parkinson uma avaliação do Congresso.
Eu, particularmente, gostei. As palestras dos Médicos, Fisioterapeutas e demais palestrantes foram claras e elucidativas. Eles falaram de uma maneira que todos entenderam , sem termos médicos, muitas dicas sobre alimentação, como ingerir os remédios etc. Foi falado da importancia do WII FIT para portadores de Parkinson.
Genário, sempre nos ajudando com seu testemunho e vivência com a doença de Parkinson há anos. Roberto (Curitiba) com parkinson há 30 anos e um ciclista convicto, mostra ao mundo como consegue pedalar com desenvoltura mesmo sofrendo dessa doença. Dalva, com uma novidade apresentando o Chapeuzinho amarelo cuja mensagem é: Como vencer o medo, pois afinal, temos muitos fantasmas , inseguranças dentro de nós que devemos exorcizar e é um processo também da doença.

segunda-feira, 2 de maio de 2011



Nosso Nobel
1 de maio de 2011 Miguel Nicolelis não precisa ser reconhecido por mais ninguém – e nem ganhar o Nobel no qual é listado como eterno candidato – para provar que é o cientista brasileiro mais importante hoje. O paulistano da Bela Vista ganhou no ano passado um prêmio de mais de US$ 2,5 milhões (R$ 4,4 milhões) dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH, na sigla em inglês) que, distribuído ao longo de cinco anos, financiará sua pesquisa sobre a fusão entre homens e máquinas, cujos resultados vêm devolvendo a esperança para tetraplégicos e pacientes de Parkinson. Há mais vinte anos à frente de um laboratório na Universidade Duke, o neurocientista acaba de reunir suas ideias, teorias e descobertas em um livro publicado em março nos EUA e que chega em junho ao Brasil, pela Companhia das Letras, como Muito além do nosso eu – A nova neurociência que une cérebro e máquinas e como ela pode mudar nossas vidas.

Agora, ele se prepara para finalizar seus dois maiores projetos na vida: a construção de um polo de ciência em Macaíba, Natal, e a finalização de uma veste robótica que poderá fazer que tetraplégicos voltem a andar, usando só a força do pensamento. “É o que quero fazer com um adolescente brasileiro paralisado na abertura da Copa do Mundo de 2014. Não me interesso por prêmios. Esse sim é o meu maior sonho. Se tudo der certo, esse menino dará o pontapé inicial”, promete.

E, se tudo der certo, o Nobel também parece mais próximo. O cientista foi convidado para apresentar um simpósio em plena Fundação Nobel, em Estocolmo, na Suécia. Pela primeira vez, os comitês responsáveis pelas premiações nas área da Medicina, Química e Física se reuniram para organizar um evento multidisciplinar, cujo tema é justamente a fusão homem-robô, assunto do qual ele é a maior autoridade no mundo. (segue...) Fonte: Estadão.
Marcadores: Miguel Nicolelis

GENE RESPONSÁVEL POR DOENÇA EM CÃES CAUSA DESORDEM NEUROLÓGICA EM HUMANOS

GENE RESPONSÁVEL POR DOENÇA EM CÃES CAUSA DESORDEM NEUROLÓGICA EM HUMANOS
Cães Terriers Tibetanos podem desempenhar papel-chave no teste de novas terapias para o início precoce do Parkinson
Pesquisadores da University of Missouri, nos Estados Unidos, descobriram que mutação genética encontrada em cães Terrier Tibetanos também pode ser encontrada em uma desordem neurológica humana fatal relacionada com a doença de Parkinson.


A doença em Terriers Tibetanos é chamada de ceroidlipofuscinosis neuronal com início na idade adulta (NCL). Nas células do cérebro e dos olhos dos cães, o material que deveria ser "reciclado", se acumula e interfere com a função das células nervosas. Devido a esse acúmulo, próximo da idade de cinco anos, o cão começa a apresentar demência, alterações de comportamento visual, perda da coordenação e mostra a agressão injustificada.
Embora existam muitas formas de NCL em seres humanos, os sintomas da NCL são semelhantes em pessoas e cães, e a doença é fatal para ambos.


Utilizando o mapa do genoma canino e amostras de DNA de cães com diagnóstico de NCL, os pesquisadores foram capazes de identificar o gene específico que causa a NCL. A mutação que descobriram em cães, no entanto, causa uma forma hereditária da doença de Parkinson em seres humanos. Isto sugere que a reciclagem que dá errado em NCL também pode estar envolvida em doenças degenerativas como mal de Parkinson.


Agora, o DNA de cães podem ser testados para identificar a presença do gene modificado e o teste pode garantir que os criadores de Terriers Tibetanos não passem a condição para a próxima geração. Os pesquisadores também acreditam que eles podem ser capazes de testar terapias potenciais humanas nos animais, já que podem usar o teste de DNA para identificar cães afetados antes que eles comecem a mostrar sintomas.


"Olhando através de amostras coletadas de centenas de cães durante muitos anos, chegamos ao ponto onde somos capazes de dizer que esta é uma doença causada pela mutação de um gene", disse o pesquisador Martin Katz. "Encontrar esse gene foi como encontrar uma única casa em uma cidade muito grande, mas tivemos a história da família do cão e as ferramentas para olhar pela cidade de uma forma sistemática para localizar o endereço da mutação responsável pela doença."


A publicação é o resultado de quase 10 anos de trabalho, e os pesquisadores acreditam que não poderia ter ocorrido sem a combinação única de animais e da ciência médica humana.


"Os cães e as pessoas sofrem da mesma doença e é muito mais fácil descobrir problemas genéticos em cães por causa da genética única de cães de raça pura", disse o professor Dennis O'Brien. "Porque temos uma escola de medicina e uma escola de veterinária próximas umas das outras, podemos encontrar os genes do cão e então descobrir se eles causam uma doença semelhante em seres humanos."
19.abril.2011
Fonte: Isaude.net
Postado por Simplesmente Tetê às Domingo, Maio 01, 2011

Acreditar no Coelhinho da Páscoa e comer chocolate é tão bommmmmmmm.



TER PARKINSON E SE ISOLAR: ISTO É NORMAL?

Resolvi esclarecer uma pergunta que me foi enviada.
O Parkinson em muitas pessoas vem acompanhado de tremores mas, nem todo tremor é Parkinson. Conheço vários Parkinsonianos que se isolam outros não aceitam a doença, muitos tem vergonha de sair de casa , o que é normal, pois é uma doença que com o tempo faz com que as pessoas se sintam, digamos, feias. Mexe com o amor próprio, mexe com a vaidade e ninguém quer ficar feia ou feio.
Quanto aos sintomas, são vários: pode ou não ter tremores, normalmente ocorre enrijecimento, a fisionomia muda, a expressão fica tipo congelada, a voz torna-se monótona, daí a necessidade de uma fonoaudióloga, fisioterapia, hidroginástica, caminhadas para ajudar a marcha e uma série de tratamentos para encararmos com mais diginidade, menos sofrimento e com alegria de viver. Daí a importância das Associações, pois a convivência com seus pares é fundamental para um pronto reestabelecimento emocional. Não sei se fui clara ou se respondi a contento sua indagação. Querendo uma resposta mais clara, o meu e-mail está no blog. Até porque, não entendi muito bem a sua colocação. Uma coisa é certa: Ajudar alguem que não se abre totalmente em qualquer assunto é muito dificil. Reitero que as Associações são fundamentais para pessoas com Parkinson . Eu não gosto de ter Parkinson, não é fácil o sofrimento, não gosto de ficar feia mas Deus me deu esse desafio e estou vencendo as etapas com a cabeça erguida. Um dia melhor outro pior... Leia um texto nas postagens antigas chamado ORNITORRINCO que eu escrevi.
ATLETA SUZANA SCHNARDORF SUPERA PROBLEMAS CAUSADOS PELO MAL DE PARKINSON
MAL DE PARKINSON – ATLETA SUZANA SCHNARDORF DESCOBRE DOENÇA E SUPERA PROBLEMAS NA NATAÇÃO PARAOLÍMPICA


A nadadora e triatleta Suzana Schnardorf foi campeã brasileira de triátlon por cinco vezes, mas precisou parar de praticar o esporte devido a um diagnóstico de mal de Parkinson. Ela teve o lado esquerdo do corpo comprometido por uma rigidez muscular. Aos 42 anos, a atleta voltou a competir e tem conseguido novos títulos e até recordes.


Suzana, diagnosticada com o mal em 2009, venceu a Travessia dos Fortes, em Copacabana. A competição, disputada em março passado, foi um marco na carreira da atleta que encontrou na natação paraolímpica uma forma de continuar competindo mesmo após a doença
Fonte:R7