NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Hormona é capaz de gerar principais benefícios à saúde dos exercícios físicos

Num estudo com ratos, investigadores do Dana-Farber Cancer Institute, nos EUA, conseguiram isolar uma hormona natural a partir de células do músculo que desencadeia alguns dos principais benefícios à saúde dos exercícios físicos, avança o portal ISaúde.
De acordo com a equipa de pesquisa, a proteína - que serve como um mensageiro químico – configura-se como uma candidata altamente promissora para o desenvolvimento de um novo tratamento para diabetes, obesidade e talvez outras doenças, incluindo cancro.
A hormona foi apelidada de " irisin", referente a Iris, uma deusa grega mensageira. De acordo com o primeiro autor do projecto, Pontus Bostroöm, a descoberta é um primeiro passo importante para a compreensão dos mecanismos biológicos que traduzem o exercício físico em mudanças benéficas por todo o corpo, tanto em pessoas saudáveis, quanto na prevenção ou tratamento de doenças.

Hormona irisin

De acordo com o relatório, a hormona irisin tem "efeitos poderosos" e directos nos tecidos gordurosos ou adiposos - os depósitos subcutâneos de gordura branca que armazenam calorias e que contribuem para a obesidade.

Quando os níveis de irisin aumentam através do exercício - ou, neste estudo, quando irisin foi injectada em ratos - os interruptores de hormona em genes que convertem a gordura branca em "boa" gordura castanha (gordura termogénica). Isso é benéfico, porque a gordura castanha queima mais calorias em excesso do que o exercício sozinho.

Apenas uma pequena quantidade de gordura castanha é encontrada em adultos, mas crianças têm muito mais - um eco evolutivo de como os mamíferos se mantém quentes, enquanto hibernando. Na esteira das descobertas de Spiegelman e outros, tem havido uma onda de interesse nas possibilidades terapêuticas de aumentar a gordura castanha nos adultos.

Juntamente com a simulação de desenvolvimento de gordura castanha, a irisin mostrou melhorar a tolerância a glicose, uma medida importante de saúde metabólica, em ratinhos alimentados com uma dieta rica em gorduras.

" A descoberta não vai permitir que as pessoas sejam capazes de deixar a academia e ficarem musculosas tomando suplementos irisin" , adverte o autor do relatório Bruce Spiegelman. Ele explica que a hormona não parece deixar os músculos mais fortes. Experimentos mostraram que os níveis de irisin aumentam como resultado de ataques repetidos de exercício prolongado, mas não durante uma actividade muscular a curto prazo.

A equipa do Dana-Farber identificou a irisin numa procura por genes e proteínas reguladas por um regulador metabólico mestre, chamada PGC1-alpha, que é activado por exercício. O grupo de Spiegelman descobriu PGC1-alfpha na pesquisa anterior.

Bostroöm disse que a caçada por alvos moleculares de actividade aumentada de PGC1-alpha finalmente localizaram irisin, que acabou por ser localizado na membrana externa das células musculares. Esta descoberta contraria as alegações de outros cientistas de que essa proteína poderia residir no núcleo da célula.

Teste em ratinhos


Para testar se o aumento de irisin poderia por si só imitar os benefícios do exercício, os cientistas injectaram quantidades modestas em ratinhos sedentários que eram obesos e pré-diabéticos.

Com 10 dias de tratamento, os ratos tiveram um melhor controlo de açúcar no sangue e níveis de insulina - com efeito, prevenindo o aparecimento da diabetes - e perderam uma pequena quantidade de peso. Embora a perda de peso tenha sido pequena, Spiegelman disse que o hormona pode ter um efeito maior quando administrado por longos períodos.

Não houve sinais de toxicidade ou efeitos colaterais, o que foi previsto já que os investigadores limitaram o aumento de irisin a níveis tipicamente causados por exercício.

Em parte porque é uma substância natural e porque as formas humanas e dos ratos da proteína são idênticas, Spiegelman disse que deve ser possível mover uma droga baseada em irisin rapidamente em testes clínicos - talvez dentro de dois anos.

A descoberta do irisin foi licenciada pelo Dana-Farber exclusivamente para Ember Therapeutics para o desenvolvimento da droga. A Ember é uma empresa iniciante sediada em Boston co-fundada por Spiegelman e cientistas do Joslin Diabetes Center e do Scripps Research Institute, na Flórida.

Os cientistas disseram que as suas descobertas apenas arranham a superfície de múltiplos efeitos de irisin. Eles estão continuando a explorar os possíveis benefícios da hormona em doenças metabólicas como a diabetes, resistência à insulina e obesidade, que constituem uma crescente epidemia em todo o mundo, bem como as doenças neurodegenerativas como o mal de Parkinson.

Spiegelman acrescentou que como a evidência crescente implica obesidade e inactividade física no desenvolvimento do cancro, é concebível que os medicamentos baseados em irisin podem ter valor na prevenção e tratamento da doença.
2012-01-16 | 11:22 fonte: Portal de Oncologia Portugues

Nenhum comentário:

Postar um comentário