NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Casos de demência vão triplicar até 2050, diz OMS

Os casos de demência vão aumentar muito nas próximas décadas, com o aumento da expectativa de vida e a melhora da saúde pública em países pobres, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).
Cerca de 35 milhões de pessoas estavam vivendo com demência em 2010 e o número vai crescer para 65,7 milhões até 2030, segundo a agência de saúde da ONU. Em 2050, os casos vão triplicar para 115,5 milhões.
"Os números já são grandes e vão aumentar muito rápido", afirmou Shekhar Saxena, chefe da divisão de saúde mental da OMS.
A maioria dos pacientes recebe cuidados dados pelos próprios parentes, que arcam com a maior parte do custo anual do problema, estimado em US$ 604 bilhões.
O peso financeiro do transtorno vai aumentar ainda mais rápido do que o número de casos, afirmou a OMS em seu primeiro relatório de fôlego sobre o tema.
"O custo catastrófico vai levar milhões de residências para níveis abaixo da linha de pobreza", afirmou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.
A demência, transtorno cerebral que afeta a memória, o comportamento e a capacidade de realizar tarefas simples, afeta a maior parte dos idosos. O mal de Alzheimer responde por cerca de 70% dos casos.
Nas últimas décadas, a demência vem se tornando um problema importante de saúde pública em países ricos.
Mas, com a população de países de renda baixa e média crescendo e envelhecendo nas próximas décadas, a OMS diz que é necessário informar o público sobre o problema e melhorar programas de apoio aos doentes.
A fatia dos casos de demência em países pobres e de renda médica deve subir de 60% para mais de 70% até 2050.
Até agora, só oito países, incluindo o Reino Unido, a França e o Japão, têm programas nacionais de demência. Outros, como os EUA, têm planos em nível estadual.
O relatório divulgado pela OMS não faz recomendações específicas de políticas públicas, mas pede ações contra a demência.
Países emergentes como China, Índia e Brasil, por exemplo, têm sistemas públicos de saúde mas não têm a capacidade para lidar com o aumento dos casos de demência, segundo Saxena.
Garantir que médicos e enfermeiros identifiquem os primeiros sintomas é um bom começo. A falta de diagnóstico correto é um dos obstáculos ao tratamento, afirmou o chefe da divisão de saúde mental da OMS.
Até em países ricos, mais de metade dos casos passam batido até que a doença chegue ao estágio final, diz o relatório.
Um equívoco comum é achar que a demência é inevitável.
"A maioria das pessoas vê a demência como uma parte natural do envelhecimeto, o que não é verdade", disse Saxena. "Pessoas mais velhas têm problemas de memória e cognição, mas a demência é uma doença com sintomas e progressão mais rápidos."
Sem tratamento, quem sofre do transtorno se torna mais isolado e vulnerável, especialmente se tem problemas de visão ou audição.
Países ricos comos os EUA devem reconsiderar a conduta de colocar pacientes com demência em instituições, afirmou Saxena. "Esse é um erro que os países desenvolvidos cometeram. Isso não é viável do ponto de vista financeiro e não significa cuidados melhores para o paciente."
Para Saxena, o aumento da demência é um paradoxo do avanço da medicina.
"Quanto melhor nosso desempenho, mais esperamos ter problemas com demência. Precisamos estar preparados."
Fonte:folha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário