NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

domingo, 29 de julho de 2012





Comprimido único é capaz de tratar Alzheimer, Parkinson e Esclerose Múltipla 28/07/2012

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback
Um comprimido desenvolvido por cientistas dos EUA tem potencial para tratar Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla. Dados recolhidos num estudo com ratos reúnem evidências de que, se administrada cedo, esta nova abordagem pode ser capaz de evitar que o desenvolvimento da doença de Alzheimer se complete, avança o portal Isaúde.
O medicamento funciona através do amortecimento da inflamação, considerada ser pelo menos parcialmente responsável por muitas doenças cerebrais degenerativas, como danos causados por ferimentos na cabeça e AVC.
Ensaios realizados com animais foram encorajadores. Actualmente, um estudo de fase I com humanos está em andamento, embora os resultados ainda não tenham sido divulgados.
Resultados dos estudos com animais mostram que o novo fármaco é eficaz contra a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson, a esclerose múltipla (MS), a doença do neurónio motor, a demência frontotemporal, além de apresentar benefícios em casos de complicações de lesões cerebrais traumáticas.
As duas drogas, actualmente conhecidas como MW151 e MW189, foram patenteadas por cientistas da Northwestern University, em Chicago. Os medicamentos trabalham bloqueando a produção excessiva – e prejudicial – de moléculas sinalizadoras do sistema imune, chamadas citocinas pró-inflamatórias.
Os autores do projecto dizem que as drogas oferecem uma abordagem completamente diferente para o tratamento da doença Alzheimer, entre outras condições. A pesquisa publicada do Journal of Neuroscience traz informações sobre como a MW151 é capaz de impedir o desenvolvimento de Alzheimer em ratos de laboratório.
A abordagem tem como alvo o acúmulo dos depósitos da proteína beta amilóide no cérebro, característica chave da doença de Alzheimer.
Em contraste, as novas drogas são concebidas para fazer com que a inflamação pare de perturbar a fiação do cérebro e matar neurónios.
Citocinas pró-inflamatórias fazem com que as sinapses, conexões entre as células cerebrais, tenham uma falha na ignição. Eventualmente, toda a organização do cérebro cai em desordem, como um computador falhando, e os neurónios morrem.
“Os níveis elevados de citocinas pró-inflamatórias podem contribuir para a avaria sináptica”, diz o investigador envolvido no estudo Martin Watterson.
Aos ratos geneticamente modificados para desenvolver a doença de Alzheimer foram dadas MW151 três vezes por semana a partir de seis meses de idade. Um estágio comparável em seres humanos seria quando um paciente começa a sofrer declínio mental leve. Como resultado, aos 11 meses, período em que os ratos deveriam ter o Alzheimer completamente desenvolvido, os níveis de citocinas encontradas nos cérebros das cobaias se mostraram normais. As suas sinapses também estavam trabalhando normalmente.
Ratos não tratados apresentaram níveis anormalmente altos de citocinas no cérebro e as suas sinapses foram falhando.
“A droga protege contra os danos associados a deficiência de aprendizagem e memória. Dar este medicamento antes das alterações de memória do Alzheimer pode ser uma abordagem promissora para tratar a doença no futuro”, diz a co-autora do estudo Linda Van Eldik.
Uma inflamação prejudicial também desempenha um papel em uma grande variedade de outras doenças neurodegenerativas, levantando a possibilidade de usar a droga para o tratamento de diferentes condições.
Testes anteriores em ratos mostraram que MW151 é capaz de reduzir a gravidade de uma doença semelhante à esclerose múltipla em seres humanos.
Noutras experiências com ratos, a droga impediu o surgimento de citocinas pró-inflamatórias após a lesão cerebral traumática. “Tomar uma droga como esta logo após uma lesão cerebral traumática ou mesmo de um acidente vascular cerebral torna possível prevenir as complicações a longo prazo, incluindo risco de convulsões, deficit cognitivo, e, até mesmo, problemas mentais” diz o cientista envolvido no projeto Mark Wainright.
Parkinson, demência não originada do Alzheimer e doença do neurónio motor são outras condições que podem ser resolvidas através desta nova abordagem.
Uma das principais vantagens da droga é que ela pode ser engolida como um comprimido, em vez de ser injectada. O medicamento atravessa facilmente a “barreira cérebro-sangue”, uma parede de fortaleza física e molecular que impede que moléculas tóxicas entrem no cérebro.
Resultados dos ensaios de fase I vão apresentar dados sobre a segurança da droga em humanos.
Fonte: RCM Pharma
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário