NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Entrevista excelente do Ator Paulo José sobre Parkinson.

11/09/2011 - (...) Na entrevista a seguir, cujos destaques estão na edição impressa da Ilustríssima de 11 de setembro, Paulo cutuca a dramaturgia brasileira atual, critica a fixação do cinema por linguagens importadas e fala da doença que o acomete há 18 anos, o mal de Parkinson. Em quase duas horas e meia de conversa, os poucos sintomas visíveis são a perda de fôlego aqui e ali e a lentidão na superação de determinadas sílabas. (...)
Falando agora um pouco sobre o Parkinson. Que adaptações são necessárias na escolha dos personagens que vai encarnar e em sua movimentação de cena por causa da doença?
Eu estou bem melhor agora do que há três, quatro anos. Porque fiz uma cirurgia de instalação de uma espécie de marca-passo cerebral, que é pouco conhecida no Brasil, por ser cara. É considerada experimental. O seguro nem paga a cirurgia. Tive a sorte de a Globo bancar uma boa parte. Não paguei nada. Custa uns R$ 200 mil. A frequência elétrica emitida pelo dispositivo inibe os movimentos involuntários, acaba com os tremores e com a rigidez muscular.

Muitas pessoas com Parkinson são maltratadas, pouco assistidas. A medicação é cara. O governo tem obrigação de dar de graça. Mas há obstáculos. Às vezes, você vai ao posto de saúde e não tem o remédio. E na farmácia, custa R$ 600, R$ 700 um vidrinho. [Com a operação] Diminuí a medicação, os efeitos colaterais. A medicação forte faz com que comecem a aparecer uns efeitos colaterais que você queria evitar. Você fica mais parkisoniano do que era. Tem um efeito sensacional. É claro que não posso fazer o papel de um corredor, de um fundista. Mas a idade de qualquer forma não me permitiria isso. Mas papéis que demandem pouco exercício, movimento dá para fazer bem.

Para a doença, o fato de eu estar em cena é ótimo. O ator quase não tem Parkinson. O personagem é mais forte do que o ator. Tem uma concentração de energia que te coloca em cena direito. O que te deixa inseguro é ter texto novo, ter de criar texto. Se você já tem, pelo menos em linhas gerais, a condução do personagem, está só repetindo: já viu, já andou ali. É fácil, fica fácil.

Em cena, você recorre a apoios, fica mais tempo sentado?

Agora, tenho de ficar sentado, porque me canso muito ficando de pé. E é preferível, sim, ter apoio para o braço [mostra o corrimão de ferro que mandou instalar na lateral do tablado de madeira doméstico em que ensaia suas peças].

Como é lidar com a reação das pessoas ao Parkinson? Algumas, no afã de agradar, devem ser tomadas por um zelo excessivo, vitimizante, não?

Tem um negócio que é irritante: ser tratado como criança pelas enfermeiras do hospital. "Chegou a sopinha, vovô vai tomar a sopinha dele agora!". Porra, caralho, que sopinha o quê! Tem muito isso.

Você chega a se irritar?

Algumas pessoas dizem assim: "Nossas estimas de melhoras, viu?" Que melhoras, porra, eu tenho uma doença degenerativa! E nas lojas, com aqueles detectores de metal na porta, tenho de pedir para desligarem o aparelho antes de entrar, porque senão pode desconectar meu marca-passo. Às vezes, a negociação demora. Teve um cara que veio me atender, enquanto desligavam o detector, e disse: "Nossa, mas que doença terrível o senhor tem! Que barbaridade! Tenho uma pena do senhor. Eu me matava, não aguentava ficar assim".

E quando foi que a doença mais atrapalhou o exercício da profissão?

Eu fazia muita locução. Comecei a ir a estúdios para gravar anúncios, documentários. E tinha dificuldade. Muitas vezes, passei o constrangimento de o diretor dizer: "Vamos deixar para outra vez, não está dando certo". Ficava encabuladíssimo. Sou mais lento, né? Vou trabalhando palavra por palavra. Aí fiz o seguinte: montei um estúdio em casa. Porque aí, se não estou bem, não faço nada naquele dia, ou faço bem devagar. A doença tem muitas variações, altos e baixos. E também não fico angustiado de estar usando o estúdio de outro, né? Isso dá uma aflição, é horrível. Fiz o [filme] "Quincas Berro d'Água". O Sergio Machado [diretor] queria que eu fizesse, mas sabia que estava doente. Minha mulher [Kika Lopes], que era a figurinista, disse que eu estava bem. "Como assim, está bem?", respondeu o Sergio. Aí ele veio falar comigo. Corre a notícia no meio de que você não pode fazer nada, está acabado. Com "O Palhaço", foi a mesma coisa. A Vânia [Cattani, produtora] ficou dando volta, estava reticente.

Você acompanha os estudos relacionados ao mal de Parkinson, os testes de tratamentos alternativos?

Sim. Estão aparecendo muitas coisas novas. No ano que vem, deve haver novidades. São medicações que te deixam quase normal. Ninguém se preocupa com a cura do Parkinson.Os laboratórios querem manter você um doente legal, mas pagando sempre, dependente deles. Há grandes avanços. Até algumas décadas atrás, a expectativa de vida [geral, no mundo] era muito mais baixa, então havia menos casos de Parkinson. Hoje, há casos de pessoas com 80, 90 anos e que têm a doença. Tem muito milionário americano que faz doações para laboratórios. É toda uma rede armada da qual você não pode escapar.

As pesquisas com células-tronco, visando à cura efetiva do Parkinson, estão muito atrasadas. O Bill Clinton [quando presidente dos EUA] tinha feito um projeto especial para desenvolver pesquisas sobre a doença. Mas logo entrou o Bush e reverteu tudo. O dinheiro acabou. Doença era problema dos laboratórios, o governo não tinha se de meter com isso.
Fonte: Folha de S.Paulo.

Nota: Recebi de um amigo João Paulo.

4 comentários:

  1. MUITO INTERESSANTE A ENTREVISTA COM PAULO JOSE. EM MUITas das colocacoes nos identificamos. O estado realmente no maltrata nao fornecendo atendimento ( MEDdICO E FARMACOLOGICO) com ab regularidae necessaria.A FALTA DE MEDICAMENTOS E CONSTANTE DDisponiveisIFICILMENTE TEM TODOS OS OS MEDICAMENTos DISPONIVEIs GRAÇAS A INSENSIBILIDADE DOS RESPONASVEIs. NÕA QUEREMOS QUE TENHAM PENA DO PK, QUEREMOS COMPREENSAO. ESTOU CANSADO DE SER CONFUNDIDO COM BEBADO. O DESCONHECIMENTO EGRANDE POR PARTE EA POPULACAO INCLUSIVE NO MEIO PROFISSIONAL . AO SER PERICIADOP POR UMA JUNTAQ MEDICA UM DOS KMEMBROS DISSE QUEW E3U TINHA DELIRIUS TREMENS . POR ISS9O DIGO QUE DU[=IVULGARB E PRECISO

    ResponderExcluir
  2. A entrevista é fundamental para todos, principalmente para quem tem Parkinson. Gostaria muito de entrar em contato com Paulo José para saber quem é o médico e que cirurgia ele faz para o Parkinson. Ele tem um amigo e fã e deve se lembrar dele, que é Dave Gordon, cantor caribenho que chegou ao Brasil em 1958 e fez muito sucesso. Ele trabalhava até recentemente como cantor e intérprete de Sinatra, Nat King Cole no Hotel Fasano, no Baretto, e foi demitido por causa da doença e sem direito ao salário integral. Por pena, lhe propuseram ficar em casa recebendo apenas 40% do salário. Ora, todos sabem que os medicamentos são caríssimos e ele não está podendo ficar sozinho por causa das alucinações causadas pela medicação. Então, tem que pagar enfermeiras. Porém, com a redução do salário a menos da metade, ele está sem condições de sobreviver. Os filhos, Izzy e Tony estão tentando arcar com os custos, mas está difícil. Dave Gordon é um artista maravilhoso e um ser querido por todos que o conhecem, mas está sendo injustiçado e mal tratado, mesmo depois de ter trabalhado para todas as agerações do grupo Fasano. Tem doze anos de trabalho com eles, sem registro, e sem direito a uma aposetadoria decente. Claro, que todas as medidas serão tomadas, mas o meu pedido aqui é para falar com Paulo José sobre essas informações na tentativa de ajudar mais um artista e pessoa humana a melhorar suas condições de vida. Afinal, acho que é pra isso que serve tb uma entrevista como essa e um exemplo de vida como a do Paulo.
    Obrigada,
    Maria Alice Guedes
    Jornalista e escritora
    Fone - 11.3477.4775
    Fone Dave Gordon - 11.5531.9348

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLHA, ENTRE EM CONTÁTO COM A REDE GLOBO QUE ELES ENCAMINHAM A CORRESPONDÊNCIA PARA PAULO JOSÉ.
      VOU TENTAR CONSEGUIR ATRAVÉS DE UMA AMIGA.SE TIVER SUCESSO, PASSO PARA VC.
      FOI UM PRAZER RECEBÊ-LA NO BLOG.

      Excluir
  3. Por favor, você conseguiu o contato?

    ResponderExcluir