NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Trauma craniano e pesticidas podem levar a mal de Parkinson

A combinação de traumatismos na cabeça e exposição a pesticidas pode estar ligada a um risco maior de desenvolvimento do mal de Parkinson, sugere um novo estudo.
Os achados não provam que ficar inconsciente por causa de uma pancada na cabeça ou ser exposto a certos produtos químicos causam diretamente a doença, que afeta cronicamente o movimento e a coordenação motora.
Mas as descobertas estão alinhadas com estudos anteriores que ligam ferimentos na cabeça e certas toxinas - além de histórico familiar e outros fatores ambientais - à doença.
Para o novo estudo, pesquisadores chefiados por Pei-Chen Lee, da Universidade da Califórnia em Los Angeles, compararam 357 pessoas com diagnósticos recentes de Parkinson com um grupo representativo de 754 pessoas sem a doença, todos vivendo no centro da Califórnia, uma região agrícola.
Os pesquisadores perguntaram a todos eles se tinham sofrido ferimentos traumáticos na cabeça - pelos quais ficaram inconscientes por mais de cinco minutos - e usaram os endereços de casa e do trabalho para determinar a proximidade de áreas que foram borrifadas com pesticidas desde 1974.
As respostas obtidas mostraram que quase 12% das pessoas com mal de Parkinson tinham ficado inconscientes por pancadas na cabeça e 47% foram expostos a um herbicida chamado "paraquat" perto de casa ou do trabalho.
Em comparação, quase 7% dos participantes do grupo controle tinham histórico de ferimentos na cabeça e 39% estiveram em áreas atingidas pelos pesticidas.
Individualmente, traumas cerebrais e viver ou trabalhar perto de regiões expostas a agrotóxicos estavam ligados a um risco moderadamente maior de desenvolver o mal de Parkinson. Juntos, os resultados mostraram um risco três vezes maior.
Os dados foram apresentados na revista científica "Neurology" e levaram em conta o risco mínimo de cada paciente desenvolver a doença, a partir da idade, gênero, raça, educação, histórico familiar de Parkinson e se eram ou foram fumantes.
Para os pesquisadores, faz sentido que uma lesão na cabeça tenda a aumentar a inflamação no cérebro e tornar mais permeável a barreira que normalmente separa a circulação do sangue e o cérebro. Essas mudanças poderiam tornar os neurônios do cérebro mais vulneráveis aos efeitos de pesticidas, aumentando, em últim instância, o risco de mal de Parkinson.
Folha Equilíbrio e Saúde

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá,
      Fiquei contente em saber que gostou do meu blog. Comentários sempre são um incentivo para nós.
      Obrigada.

      Excluir