NOSSO CANAL - VÍDEOS RECOMENDADOS

Loading...

ASSISTA OS VÍDEOS


EU VOCÊ E JAMES, JUNTOS NO YOU TUB


Há um ano comecei a formatar um blog que, na verdade, nem eu sabia ao certo o que pretendia e nem como seria esse “filho”, já que existiam muitos blogs falando com propriedade sobre Parkinson. Resultado: coloquei em "stand by". Queria colocar as idéias no lugar e aguardar uma inspiração.

Por que o nome EU, VOCÊ E JAMES?

EU: podemos falar dos nossos sonhos, aspirações, de receitas, atualidades, alegrias e tristezas, e variedades diversas.
VOCÊ: é a principal razão da existência do blog. É quem vai ajudar na construção e divulgação do espaço que vai ser seu. O espaço é livre.
JAMES: Vixe... Esse aí não é fácil. Como já disse acima, existem muitos blogs que tratam do assunto com competência científica e isso é muito bom. A proposta é que seja uma abordagem bem suave, com humor, pois necessitamos muito de diversão e alegria. Não podemos nos envolver apenas com os aspectos fisiológicos do Parkinson. Vamos tratar do tema com leveza.

Com o Sr. James aprendi, além de outras coisas:
- Ter calma, já que os nervos são o principal fator de problemas para nós;
- Ter sempre um projeto de vida para se apaixonar: como dizia Chico Xavier, estar apaixonado por um projeto faz com que Deus nos dê mais tempo de vida;
- Me movimentar mais, lembrando do sábio Almir Sater na música Tocando em Frente: “Ando devagar porque já tive pressa...”.

E com minha amiga Dalva Molnar aprendi muitas coisas, inclusive que temos muito TA...LEN...TO.

Este blog está trocando de roupa- AGUARDE: EM BREVE NOSSO CLOSET ESTARÁ COMPLETO

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Cientistas chilenos testado com sucesso a terapia que retarda o progresso do mal de Parkinson

Vírus modificado protege os neurônios responsáveis ​​pelo movimento que não estão doentes.
Domingo 21 de agosto de 2011 - Em 1991, discretamente, o ator Micahel J. Fox descobriu que ela tinha Parkinson. Ele passou sete anos antes de revelar o diagnóstico, assumindo sua doença e criar uma fundação que financiou muita pesquisa para encontrar um tratamento eficaz contra o mal.

Um desses estudos é realizada pelo Centro de Estudos Molecular da Célula (CEMC) da U. Chile, onde os cientistas estão trabalhando em terapia de transferência de genes, pelo menos em camundongos, parou a progressão da doença.

Em termos simples, é um vírus geneticamente modificado, que é introduzido através de uma injeção minimamente invasivo, em uma área do cérebro onde os neurônios são responsáveis ​​pelo controle dos movimentos do corpo. Uma vez lá, o vírus reconhece essas células e oferece um gene terapêutico, que ativa uma proteção para aqueles que ainda não foram afetadas pelo mal, impedindo a progressão da doença.

O líder do projeto, Dr. Ciências Biomédicas e professor da U. Harvard Claudio Hetz disseram esperar para publicar os seus resultados antes do final do ano e, assim, mostrar seu trabalho para a comunidade científica internacional.

O próximo passo é procurar a terapia e patenteou uma empresa farmacêutica interessada em começar estudos clínicos humanos.

O doutorado em Molecular e Biologia Celular e Neurociências Gabriela Mercado explicou que o vírus pertence à família usou o adenovírus associados, que estão permanentemente no ambiente. "Estes vírus são utilizados como ferramentas para transferência de gene, um veículo em que modificar a informação genética para os neurônios aos quais se dirigem. Está provado que não são patogênicos e não produzir uma forte reação imunológica no organismo. Assim, a informação entregue de terapia genética tão silencioso e cumpriu sua função, eles desaparecem ", diz ele. Esses vírus estão sendo testados em oito ensaios clínicos em pacientes com Parkinson mundo, sem mostrar efeitos secundários adversos. (...)

Durante três anos, o CEMC tenta encontrar a falha que causa Parkinson molecular e por neurônios que produzem dopamina morrem. "Na maioria das doenças neurodegenerativas, proteínas danificadas forma de amilóide, muito tóxico para os neurônios, que morrem ou não estão funcionando bem", diz Hetz.

Sua terapia proporciona um gene artificial responsável por ligar um interruptor, ordenando-lhes que os neurônios fortalecer seus mecanismos de enfrentamento para gerenciar melhor o acúmulo de amilóide, melhorar a saúde do neurônio. "Quando injetamos este gene de alguma forma reprogramar o genoma do neurônio para resistir a esta proteína alterada é visto em Parkinson e outras doenças como esta", diz Hetz.

Segundo o especialista, esse gene, ao invés de alterar um processo, tem uma resposta global maciça ao estresse celular: melhorar o reparo de proteínas danificadas e ajuda os neurônios a excretar resíduos e não cumulativa. No modelo animal, ratos, e eles conseguiram.

Para sua pesquisa, e apoio da J. Michael Fox Foundation for Research de Parkinson, os cientistas chilenos tiveram o apoio da empresa de biotecnologia Genzyme (pioneira no desenvolvimento da terapia gênica), Doença de Parkinson Foundation (EUA) e da École Polytechnique Fédérale de Lausanne, na Suíça. Fonte: La Tercera








Nenhum comentário:

Postar um comentário